Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Países na rota dos Balcãs definem controlo conjunto de entrada de refugiados e e frustram esforço da UE para conter crise

Cinco países da rota dos Balcãs por onde seguem os refugiados na sua fuga desde o Médio Oriente em direcção à Europa Ocidental definiram nesta sexta-feira819) um rígido sistema de controlo para que só os que vierem de países em conflito possam passar além da Grécia, o primeiro país europeu em que pisam.

Os chefes de polícia da Áustria, Eslovénia, Croácia, Sérvia e Macedónia concordaram em Zagreb em estabelecer um rigoroso filtro na fronteira entre a Grécia e a Macedónia para não deixar passar quem não tenha credenciais para ter direito a asilo.

O chefe de polícia da Croácia, Vlado Dominic, informou que a Áustria, Eslovénia, Croácia e a Sérvia vão enviar agentes e equipas à Macedónia para reforçar os controlos com a fronteira grega. Após este primeiro controlo, todos os países comprometeram-se a voltar a inspeccionar nas suas respectivas fronteiras quem tenta entrar.

“Cada país garantirá que ninguém que não tenha sido registado em Gevgelija (fronteira grego-macedónia), possa somar-se depois aos refugiados”, que costumam ter como destino Áustria e Alemanha, explicou Dominic em conferência de imprensa.

Daminic confirmou também que só deixarão passar aqueles refugiados oriundos de zonas em conflito. Em relação às cotas, disse que não existe um número fixo, mas dependerão do número que Alemanha e Áustria deixarem entrar. “As cotas não foram definidas exactamente, já que estas mudam dia a dia. De acordo com as mudanças de cotas de entrada de Alemanha e Áustria, nós vamos deixar passar o mesmo número na fronteira grego-macedónia”, explicou.

A Áustria anunciou na quinta-feira que, até novo aviso, vai aceitar diariamente 80 pedidos de asilo e permitirá que entrem em seu território outras 3.200 pessoas que desejem seguir viagem para outro país europeu.

“O nosso objectivo é que os imigrantes passem da forma menos dolorosa possível desde a fronteira greco-macedónia até à Áustria e que não haja refugiados que tenham que ser devolvidos de um país a outro, como foi o caso nos últimos dias”, justificou Daminic.

Os refugiados que não puderem passar à Macedónia ficarão em centros de acolhimento “na Grécia e na Turquia”, explicou.

O conteúdo deste acordo será informado ao Conselho Europeu e aos outros países interessados, como Bulgária e Albânia, por onde Dominic reconheceu que o fluxo migratório dos que não conseguirem entrar na Macedónia se pode desviar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!