Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Os combustíveis estão mais caros

Para economia de milhares de moçambicanos, este não será mais um ano, mas um exercício de sobrevivência mais difícil. Pois, nunca coincidiram tantas notícias más para o consumidor. Desta vez, é diz respeito à subida do preço dos combustíveis desde a última quarta-feira. Diga-se, este é apenas o começo, uma vez que se prevê ajustes graduais, uma percentagem não superior a 10 porcento, até Junho.

Desde a última quarta-feira os combustíveis estão mais caros em Moçambique. O Governo anunciou, na terça-feira, o aumento do preço dos combustíveis em 10 porcento. Vislumbra- se momentos difíceis para os moçambicanos nos próximos dias.

A gasolina passou a custar 44 meticais o litro, contra os anteriores 40. O gasóleo, que antes custava 30,98 meticais, passou a ser comercializado a 34,08 meticais. O petróleo de iluminação, cujo preço era é de 22 meticais, aumentou para 26,52 o litro. O preço do gás de cozinha também sofreu um agravamento estando a custar actualmente 55,58 meticais o quilograma contra os anteriores 52,58 meticais.

Neste tipo de situações, o cidadão comum é que sai mais prejudicado, podendo ver o seu poder de compra reduzir mais do que já está. Aliás, nos próximos meses, os consumidores vão continuar a fazer “malabarismo” de modo a ajustar o orçamento doméstico à nova realidade dada a imperiosa necessidade de deslocar-se ao trabalho ou escola.

Segundo o ministro da Energia, Salvador Namburete, o Governo vai manter a redução em 50 porcento do custo do diesel que vinha sendo adoptado para os sectores da agricultura mecanizada, pesca e mineração. Este benefício será estendido para os operadores da pesca artesanal e semi-industrial.

Quanto aos mega-projectos, como a HCB, a Vale, a Riversdale, as firmas de construção e as obras públicas, as empresas ferro-portuárias e os grandes transportadores de carga, continuarão a pagar o preço real pelo consumo do gasóleo, garantiu Namburete.

Moçambique possui uma dependência internacional em relação aos combustíveis derivados do petróleo, o que encarece a importação deste produto no país. Mas há alguns economistas defendem que o problema não se deve à conjuntura internacional, pelo contrário, este facto é provocado pela elevada taxa de imposto sobre importação dos combustíveis existente no país.

O custo dos combustíveis pode influenciar negativamente a economia do país, provocando o aumento de preços de vários produtos importados, sobretudo os de primeira necessidade.

Caso se mantenha o actual cenário no Médio Oriente e África do Norte, o ministro da Energia comentou que o custo da importação de combustíveis derivados do petróleo pode aumentar em Moçambique.

Contudo, em relação aos países da região, o Governo afirma que Moçambique apresenta os preços dos combustíveis mais baixos, o que desperta os outros países vizinhos no sentido de adquirir os mesmos no país.

Refira-se que a factura anual de importação de combustíveis em Moçambique atingiu, em 2010, os 530 milhões de dólares norte-americanos, contra 400 milhões de dólares registados em 2004.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!