Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Ordem dos Advogados exige do Ministério Público punição imparcial dos responsáveis pelas dívidas ocultas

Ordem dos Advogados exige do Ministério Público punição imparcial dos responsáveis  pelas dívidas ocultas

O Bastonário da Ordem dos Advogados de Moçambique, Flávio Menete, apelou esta quarta-feira (01) ao Ministério Público para acabar com a percepção de que “a justiça é forte para os fracos e fraca para os fortes”, punindo de forma isenta e imparcial os autores, cúmplices e encobridores das dívidas ocultas, que colocaram o país na lista negra do Fundo Monetário Internacional (FMI) e de outros parceiros de cooperação do Governo.

Segundo o advogado, as expectativas da sua instituição são de que a empresa de consultoria Kroll faça o seu trabalho com profissionalismo, obedecendo aos mais altos padrões de qualidade e observando as melhores práticas internacionalmente aceites neste tipo de actividade.

Por sua vez, o Ministério Público deve usar a informação disponível e a que for disponibilizada por aquela companhia, “de forma isenta e imparcial”, de modo que, havendo indícios suficientes de crimes, os autores, cúmplices e encobridores sejam exemplarmente responsabilizados, impedidos de continuar a beneficiar de valores, bens e direitos adquiridos em resultado dessa actividade criminosa, e obrigados a ressarcir o Estado de todos os danos sofridos.

Chegou o momento de “acabarmos com a percepção de que a nossa justiça é forte para os fracos e fraca para os fortes”.

Num outro desenvolvimento, Flávio Menete afirmou que a Ordem reitera o repúdio pela actuação da Polícia e da decisão do Ministro do Interior em relação à violação de procedimentos aquando da expulsão administrativa da cidadã de nacionalidade espanhola Eva Anadon Moreno.

A visada foi detida de forma humilhante e deportada a 30 de Março do ano passado, por participar, na companhia de outras mulheres, numa reunião pública cujo fim era reivindicar o término da violência contra a rapariga nas escolas.

Neste caso, mais uma vez “os agentes da Polícia cumpriram ordens ilegais e violaram os mais elementares deveres profissionais. Havendo interesse por parte do Ministério e do Comando-Geral, a Ordem está disponível para as acções de formação e elaboração de brochuras que possam ajudar a reduzir as fragilidades existentes”, ofereceu-se o Bastonário.

Na sua alocução, Flávio Menete disse que a entidade que dirige tem acompanhado relatos de que vários cidadãos são torturados pela polícia, algumas vezes pela Unidade de Intervenção Rápida (UIR).

“Por que razão a UIR se envolve em investigações, não sendo essa a sua vocação (…)”

Audiências de julgamento devem início e fim

A marcação de diversas audiências de julgamento para a mesma hora continua, com o argumento de que não é possível saber quanto tempo dura cada audiência nem se todos os notificados se farão presentes, inquieta também a Ordem dos Advogados, que questionou: “se não ensaiamos e alguns juízes são recém-formados e, portanto, a trabalhar pela primeira vez, como podemos concluir dessa impossibilidade?”

Flávio Menete, que falava em Maputo, na abertura do ano judicial, deplorou ainda o facto de à marcação de audiência para a mesma hora acrescer-se o atraso dos juízes, algumas vezes atrasos de cerca de três horas, o que é simplesmente inaceitável.

O Bastonário defendeu que os profissionais da área devem reconhecer que muitas vezes a culpa é da sua instituição e de outros sectores, porque não reportam ou não reagem de forma vigorosa, para que tais juízes mudem de atitude.

“Propomos que as actas das audiências de discussão e julgamento passem a indicar as horas de início e fim para ajudar a determinar a média dom fundo de tempo necessário para cada tipo de caso e posteriormente marcarmos as audiências com o espaçamento devido. Esta medida poderá também permitir um maior controlo das actividades dos tribunais”, sugeriu ele.

É inconstitucional julgar alguém de pé

De acordo com Menete, no primeiro interrogatório e nas audiências de julgamento, continua-se a observar uma prática que gera muitos debates, por ser considerada inconstitucional e degradante.

“Refiro-me à obrigatoriedade de o réu responder de pé, muitas vezes horas a fio, independentemente da sua idade ou condição física, quando imperam, entre nós, estruturantes princípios constitucionais, mormente o da presunção de inocência e o da proibição de tratamento degradante”.

Ele quis saber qual é a necessidade de se manter esta prática? Será que o Estado, representado pelo Tribunal, perde o seu poder se permitir que o réu responsa sentado? “Entendemos que não. Em muitos ordenamentos jurídicos esta prática foi abolida, e nem por isso os tribunais deixaram de exercer o seu papel, nem os juízes passaram a ser desrespeitados”.

A crónica morosidade e trafulhices de advogados

No que diz respeito à morosidade processual, o problema continua preocupante. A entrada em funcionamento dos Tribunais Superiores de Recurso trouxe outra dinâmica ao sistema, mas entendemos que os tribunais provinciais e o da cidade de Maputo deveriam ser reforçados para dar vazão aos recursos, uma vez que para a além de funcionarem como tribunais de primeira instância também conhecem de recursos.

Este entrave resulta do que comummente se designa por crise de crescimento, disse Mente e avançou que existem alguns advogados violam as mais elementares normas de ética e deontologia profissional, havendo indicação de alguma deslealdade para com os respectivos constituintes.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!