Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Oposição lança nova campanha para vencer Presidente Jammeh na Gâmbia em 2016

Uma nova campanha de mobilização para vencer o Presidente gambiano, Yahya Jammeh, durante as eleições presidenciais de 2016 foi lançada, domingo (17), na Gâmbia, sob a égide dos partidos da oposição, constatou-se no local.

O Partido Progressista Popular (PPP), o Partido Democrático Unido (UDP) e o Congresso Moral da Gâmbia (GMC) exortaram, domingo, os Gambianos a efectuarem uma mudança pacífica de Governo para um desenvolvimento positivo.

As eleições presidenciais na Gâmbia estão previstas para 2016 mas os partidos da oposição indicam que elas vão lançar uma campanha de sensibilização «para denunciarmos as falhas actuais no plano social, económico e político para efectuarmos uma mudança de Governo através das urnas dentro de três anos».

O Presidente Jammeh dirige a Gãmbia desde que tomou o poder através dum golpe de Estado, sem efusão de sangue, em 1994. Em 2005, a oposição lançou a sua primeira aliança, designada “a Aliança Nacional para a Democracia e Desenvolvimento (NADD).

Mas a quatro meses das eleições presidenciais de 2006, o Partido Unido Democrático (UDP, o principal da oposição) retirou-se da coligação, causando um enorme recuo, oferecendo igualmente a maioria total dos sufrágios ao partido à Aliança para a Reorientação Patriótica e a Reconstrução (APRC, no poder).

Em 2011, a oposição, designadamente o Partido Nacional da Reconciliação (NRP) e a Organização Democrática Popular para a Independência e Socialismo, (PDOSI), lançaram a Frente Unida da Gâmbia, (GUFG), mas acabou por ser vencida pelo Presidente gambiano.

Num discurso pronunciado, domingo, na região de Brikama, na região costeira ocidental, Ousainou Darboe, lider da UDP disse desejar que o Presidente Jammeh se pronunciasse sobre as declarações de Taiwan, segundo as quais a ruptura das relações entre os dois países deveu-se a um pedido de subornos do seu Governo gambiano rejeitado pelo taiwanês, tal como relatado pelo jornal Taipei Times.

Darboe declarou que o Governo, dirigido por Jammeh, mantém desde então um silêncio sobre este ponto e que não disse aos Gambianos se esta informação foi verdadeira ou falsa.

Partilhando a opinião de Darboe, Omar Jallow, líder do PPP, revela que Jammeh atrasa a Gâmbia porque controla negócios e colocou a sua família em todos os sectores de actividades do país. Exortou a juventude a juntar-se à cruzada para se efectuar a mudança dando «um cartão vermelho» a Yahya Jammeh em 2016.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!