Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Oposição egípcia alerta para violência em referendo

Um líder oposicionista alertou nesta quinta-feira para o risco de mais derramamento de sangue nas ruas, quando os egípcios votarem num referendo sobre uma nova Constituição defendida pelo presidente islamista Mohamed Mursi, em meio a uma crescente crise política no país.

No referendo, no próximo sábado e no seguinte, os egípcios terão de endossar ou rejeitar a lei básica do país, que terá de entrar em vigor antes das eleições nacionais serem realizadas no próximo ano – a maioria espera que o pleito possa tirar a nação mais populosa do mundo árabe da instabilidade política em que se encontra.

Pelo menos sete pessoas morreram e centenas ficaram feridas na violência que eclodiu há três semanas, após Mursi ter concedido a si mesmo amplos poderes para encaminhar a Carta a um órgão encarregado de sua elaboração, dominado por islâmicos e boicotado pela oposição.

Ahmed Said, um dos líderes da oposicionista Frente de Salvação Nacional, disse que a imposição do referendo, num momento de elevada tensão nas ruas, pode provocar mais violência, já que eleitores rivais irão às urnas.

“Durante o referendo, acredito que haverá sangue e um monte de antagonismo, por isso não está certo realizar um referendo”, disse ele à Reuters. Said, que também preside o partido liberal Egípcios Livres, descreveu a votação como um risco demasiado e meio à prevalência de tanta “amargura”.

Apesar da pressão da oposição pelo voto no “não”, espera-se que a medida seja aprovada, dado o histórico de vitórias da Irmandade Muçulmana, grupo bem organizado, nas eleições desde a queda do presidente Hosni Mubarak há quase dois anos. Muitos egípcios, cansados de turbulência, podem simplesmente seguir a linha da Irmandade.

Mas os referendo que divide os egípcios pode abalar a capacidade de Mursi de forjar um consenso sobre políticas vitais para salvar a economia. Poderá também fragmentar uma oposição cuja atual unidade talvez não sobreviva a uma derrota decisiva nas urnas. A votação é altamente controversa, tendo resultado em confrontos de defensores da Irmandade Muçulmana, no Cairo e outras cidades, com membros da oposição liberal secular. O palácio presidencial, o foco das manifestações, está cercado por tanques e enormes barricadas de concreto.

DIREITOS DAS MINORIAS

A televisão estatal mostrou nesta quinta-feira as tropas a receberem ordens de proteger locais de votação e outros edifícios governamentais.

A oposição diz que a Constituição não reflete as aspirações de todos os 83 milhões de egípcios porque é muito islâmica e esmaga os direitos das minorias, incluindo os da comunidade cristã. Partidários de Mursi dizem que a Constituição é necessária para a continuidade da transição para a democracia.

Esta semana, a oposição organizou grandes manifestações nas ruas para convencer Mursi de adiar o referendo, mas não obteve sucesso. Como contraponto, os islamistas promoveram manifestações ainda maiores em apoio ao referendo.

A oposição agora está a pedir que seus partidários votem “não”, embora tenha ameaçado boicotar o processo se certas garantias de uma votação justa não fossem cumpridas. Mas se ficar longe do processo corre o risco de perda de credibilidade, dizem os especialistas políticos.

Para a oposição, qualquer margem de vitória pode ser crucial. “Há uma chance real de que o resultado possa desmoralizar a oposição. Se a Constituição for capaz de obter 70 por cento (de apoio) ou mais, pode ser difícil recuperar isso e Mursi vai se sentir vingado”, disse Shadi Hamid, do Brookings Doha Center.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!