Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Operadores turísticos querem reabertura do Aeroporto da Ponta do Ouro

Um grupo de operadores turísticos activos na região da Ponta do Ouro, na província meridional moçambicana do Maputo, está a diligenciar para, junto das autoridades competentes, conseguir a reabertura do aeroporto daquela zona, actualmente inoperacional.

Um draft arquitectónico da infra-estrutura, encomendado a especialistas sul-africanos e que custou aos bolsos dos interessados 250 mil randes (cerca de um milhão de meticais) já existe e será apresentado ao ministro do Turismo, Fernando Sumbana, para apreciação e provavelmente receber “luz verde” para execução, por forma a atrair, também, turistas com elevado grau de exigências em termos de conforto.

Os operadores turísticos afirmam ter duas hipóteses na manga: uma reabilitação da actual infra-estrutura e/ou a construção de uma nova.

A estimativa é de que uma reabilitação das actuais infra-estruturas custaria aproximadamente 600 mil dólares norte-americanos (cerca de 16,2 milhões de meticais), enquanto a execução de uma obra de raiz consumiria cerca de USD12 milhões de dólares.

Sumbana tenta convencer

Na passada Quinta-feira, o ministro Sumbana teve de se aplicar a fundo, em Mbabane, Suazilândia, em termos de argumentação, para dissipar uma aparente má impressão com que alguns integrantes de uma caravana de turistas, operadores do sector e jornalistas ficaram no que aos itinerários rodoviários tange no troço fronteira de Kosi Bay (com a África do Sul) e a região costeira da Ponta do Ouro (província do Maputo).

Trata-se de um troço de aproximadamente vinte quilómetros, extremamente agreste e impróprio para quem busca uma viagem cómoda e adequado para quem visita a região expressamente para desfrutar de uma condução aventureira e radical.

O mesmo acontece no troço de aproximadamente 120 quilómetros entre a KaTembe (na margem sul da baía do Maputo) e Ponta do Ouro, que faz com que uma viagem exclusivamente aconselhável para viaturas com tracção às quatro rodas dure não menos que três longas e penosas horas.

Perspectivas

Sem estabelecer um calendário, Fernando Sumbana assegurou que esforços estão em marcha para resolver a situação da rodovia Maputo/ Kosi Bay, no âmbito da montagem da ponte entre a capital moçambicana e a KaTembe, numa empreitada que deverá consumir mais de 500 milhões de dólares norte-americanos.

A obra deverá ser financiada pela China, depois do afastamento de Portugal, patrocinador inicial da empreitada, mas impotente para prosseguir com o esforço por ter caído numa grave crise financeira.

Sumbana afirmou que a rodovia terá impactos positivos multifacetados, dado que no Sul da província do Maputo, para além das estâncias turísticas por ali disseminadas, existem outras potencialidades, com destaque para as agro-industriais, como são os casos dos campos de produção de arroz, a fábrica de cimentos em construção e a pedreira, cujos produtos terão escoamento facilitado após a conclusão das obras na rodovia Maputo/Kosi Bay.

Um comboio de cerca de cinquenta viaturas e mais de 250 pessoas visitou, entre os dias 24 e 27 de Outubro, as áreas turísticas de iSimangaliso (KwaZulu-Natal/África do Sul), Ponta do Ouro e a Reserva de Hlane, em Simunye (Reino da Suazilândia), no âmbito da promoção da iniciativa 3 East Route, um projecto combinado dos governos dos três países.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!