Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

ONG diz que produção de biocombustíveis prejudica países pobres

A produção de biocombustíveis em escala industrial agrava problemas sociais e ambientais nos países pobres, inclusive o Brasil, adverte a ONG britânica Christian Aid, em um relatório divulgado esta segunda-feira.

O relatório cita especificamente a falta de direitos trabalhistas dos trabalhadores, como em algumas plantações no Brasil – principal exportador e segundo produtor de biocombustíveis no mundo. Além disso, aponta ainda os deslocamentos forçados de agricultores na Colômbia e ao aumento dos preços dos alimentos, especialmente na América Central. “Estão a ser usandas grandes somas de dinheiro dos contribuintes americanos e europeus para apoiar indústrias que agravam a fome, promovem graves violações dos direitos humanos além da destruição ambiental, e que não cumprem os benefícios prometidos”, diz Eliot Whittington, autor do estudo “Growing Pains “(Sofrimento crescente).

Além disso, a ONG observa que alguns combustíveis, ao invés de combater as alterações climáticas, provocam mais emissões de gases de efeito estufa que os combustíveis fósseis, devido à devastação causada pela necessidade de adquirir terras aráveis. Segundo a Christian Aid, o problema não são os biocombustíveis, mas as políticas que favorecem sua produção em grande escala para abastecer a crescente demanda dos países desenvolvidos para o transporte.

A organização lamenta que os países desenvolvidos, como os Estados Unidos, já tenham gasto bilhões de dólares em subsídios à produção de biocombustíveis, quando haveria maneiras mais baratas e mais eficazes de se reduzir as emissões de dióxido de carbono provenientes do transporte.

A Christian Aid acredita, no entanto, que os biocombustíveis têm potencial para ajudar as 2,4 bilhões de pessoas que atualmente não têm garantido o combustível necessário para se alimentar e para o aquecimento. Mas a organização acredita que é necessária a adoção de novas políticas para que os menos favorecidos tenham acesso a energia limpa. “Os políticos devem rever urgentemente suas opiniões sobre os biocombustíveis para garantir que apenas as culturas e os combustíveis que assegurem a integração social e ambiental recebam apoio do governo”, disse Eliot Whittington.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!