Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

“OFID” financia projecto de electrificação em Moçambique

Moçambique é um dos países beneficiários de um fundo de cerca de 50 milhões de dólares aprovado semana passada pelo órgão directivo do OFID (Fundo dos Países Produtores de Petróleo para o Desenvolvimento Internacional) para financiar projectos de electricidade.

O fundo foi anunciado hoje, em Bruxelas, pelo Director-geral do OFID, Suleiman Jasir Al-Herbish, falando na abertura da 20/a sessão do Fórum “Crans Montana”, que decorre na capital belga até ao próximo Sábado, contando com a participação oficial de Moçambique. Segundo explicou Al- Herbish, estes projectos, a serem realizados conjuntamente com o Banco Mundial também em Ruanda e Paquistão, visam reduzir os índices da pobreza na componente de acesso da população à electricidade.

“Em Moçambique, o projecto visa melhorar o acesso à energia, beneficiando principalmente as famílias pobres das zonas peri-urbanas e rurais. Energias renováveis tais como a solar e hídrica são partes desse projecto importante”, disse a fonte.

Em Ruanda, o projecto prevê o financiamento de uma série de acções visando aumentar o número de pessoas com acesso aos serviços de electricidade segura e sustentável, abrangendo 210 mil famílias. Por sua vez, o Paquistão vai beneficiar da construção de unidade de produção de energia, de modo a absorver 25 por cento do défice do país.

A fonte disse que o órgão directivo do OFID aprovou um nível recorde de operações financeiras, totalizando 912 milhões de dólares americanos para novos compromissos. Estes incluem apoio aos investimentos público e privado, financiamento do comércio e donativos para causas humanitárias. “Ademais, e em conformidade com a orientação dos chefes dos estados membros da OPEC (Países Produtores de Petróleo) na Declaração de Riyadh de 2007, o OFID tem dado prioridade a questão de erradicação da “pobreza energética’”, disse ele.

A “pobreza energética” é mais grave no continente africano, onde apenas um quarto da população tem acesso a este recurso. De acordo com a fonte, para atingir a meta básica estipulada pelos Objectivos do Desenvolvimento do Milénio das Nações Unidas, 500 milhões de pessoas precisam de ter acesso à energia, num investimento adicional de 16 biliões de dólares anuais.

Considerando este desafio, o OFID concluiu, depois do workshop realizado ano passado em Abuja, Nigéria, sobre “Pobreza Energética em Africa”, ser necessário realizar propostas concretas para quebrar o ciclo vicioso da “pobreza energética” ligando o desenvolvimento energético a uma real procura e investimento.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!