Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

OBITUÁRIO: Obituário: Susan Tsvangirai 1958/2009 – 50 anos

OBITUÁRIO: Obituário: Susan Tsvangirai 1958/2009 – 50 anos

Susan Tsvangirai, a mulher do primeiro-ministro do Zimbabwe, Morgan Tsvangirai, morreu na passada sexta-feira (dia 7) vítima de acidente de viação, quando um camião de sete toneladas embateu de frente com o veículo todo-o-terreno em que seguia na companhia do marido que ficou ferido na cabeça e no pescoço. Contava 50 anos.

Agora, após a sua morte, foram traçados alguns paralelismos entre ela e a primeira-dama, Grace Mugabe, conhecida pela “rainha dos consumos”, cujos hábitos despesistas muito contribuíram para a degradação moral do país. De costumes bem mais modestos, a mulher do primeiro-ministro possuía um negócio ligado à costura e outro à restauração, antes de o marido ser uma figura pública. A mulher de Tsvangirai comprava roupa barata por atacado e introduzia depois as alterações que achava mais convenientes dando-lhes um cunho pessoal.

Susan, tal como o seu marido Morgan, nasceu em Buhera, 50 quilómetros a sul da capital, Harare, e era para lá que o casal se dirigia quando se deu o acidente fatídico. Conheceram-se em 1978, quando Morgan era o encarregado de uma mina de níquel local. Do casamento resultaram seis filhos, três rapazes e três raparigas.

Apoiante incondicional do marido, pouco antes de morrer, numa breve entrevista, falou acerca de Morgan dizendo: “Ele é um homem bom, um excelente marido e um pai maravilhoso. Assim que fixa um objectivo jamais desiste de o alcançar. É um homem de grande determinação, e acima de tudo de grande coragem. Penso que já deu provas disso ao mundo. Lutou durante dez anos contra Mugabe e ainda continua a lutar.

Em 2003, Susan sentiu como ninguém a prisão do marido e fez questão de se sentar na primeira fila da plateia para ouvir as acusações de traição à pátria que valeram a condenação do marido. Em 2007, quando Morgan foi novamente preso e sujeito a espancamentos, Susan, quando viu o estado físico do marido na prisão, chorou convulsivamente. Mais tarde confessou: “Estaria a mentir se dissesse que tem sido fácil. Houve alturas em que temi muito a morte do meu marido. Rezei muito. Como mãe, temi pelos meus filhos. Senti-me muito vulnerável, mas senti também que tinha de apoiar o meu marido, esse é o papel de uma esposa, de uma boa esposa pelo menos.”

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!