Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

O que os mendigos fazem em tempos de crise?

O que os mendigos fazem em tempos de crise?

Rejeitando a fraca integração social e a discriminação de que a pessoa portadora de deficiência física ainda é vítima no país, em “Cavaqueira do Poste”, um diálogo teatral executado por Diaz Santana e Sérgio Mabombo, sob direcção cénica de Elliot Alex, os actores exaltam a importância do trabalho.

Com a mestria peculiar de que se reveste a alma, os artistas moçambicanos não perdem o seu objectivo de vista: acompanham os bons momentos da literatura nacional para mesclar no enredo dois recursos estilístico – a metáfora e a ironia –, com alguns géneros literários – a narrativa, o drama e a comédia.

A finalidade da peça tinha em vista provar que, ao contrário do trabalho por que os moçambicanos clamam, a cesta básica, entre outros subsídios que o Governo inventou, é um mero atenuante diante da crise financeira que o mundo experimenta. E tem mérito, porque fazem-no recorrendo às pessoas portadoras de deficiência física e visual. Trata-se de Tendeu (com ambos, os membros superiores amputados) e Calvino (deficiente visual).

Em cena os actores, que interpretam a história de dois mendigos abandonados na rua, à sua sorte, inventam e reinventam continuamente estratégias para convencer os cidadãos a ofertar-lhes alguma esmola. Mendigando – dizem que – estão a trabalhar.

“Vamos trabalhar – pedir esmola – para que não morramos de fome”, diz Sérgio Mabombo, que na peça interpreta Calvino, ordenando ao seu comparsa, Diaz Santana, ou simplesmente Tendeu, mendigo de braços amputados.

Enquanto isso, o lixo depositado nos contentores deixa de o ser, transformando-se em “doações de alimentos” para os mendigos. “Tendeu, foste ao contentor ver se alguém fez uma doação de comida para a gente? E para a Baixa? Foste para a Baixa ver se os “mabanianas” estão a distribuir o pão das sextas-feiras ?”, questiona Calvino.

Consumismo Profissional

Partindo de um problema universal – a crise financeira e alimentar global – cujos efeitos não poupam os chamados países do terceiro mundo, como Moçambique, os actores despoletam na sua psicologia de experimentação uma série de problemas sociais de que enferma a nossa sociedade, como é o caso do consumismo profissional – esta tendência que alguns profissionais de diferentes ramos de trabalho têm de abocanhar várias funções em diversas áreas, em detrimento de outros colegas.

O resultado é que nada sai perfeito. Pior ainda, as sequelas que daí decorrem são fatais. No caso de Calvino, valeu-lhe uma disfunção visual – a cegueira.

Conforme a obra, se em determinada área profissional – a mecânica, por exemplo, um técnico de bate-chapa é excelente, nada nos garante que o mesmo pode sê-lo na pintura. A tenebrosa história de Calvino que terminou em cegueira exemplifica bem a “tragédia” daí decorrente. Pior ainda, é que não só afecta o profissional, como também a sua família e, por extensão, o desenvolvimento económico e social do país.

Sequelas da “Guerra dos 16”

Noutro prisma, se, por um lado, a guerra dos 16 anos terminou há cerca de 20 anos, urgindo, por conseguinte, cultivar-se continuamente o espírito da paz e a unidade nacional no país, por outro, alguns efeitos que ela produziu mantêm-se indeléveis. No caso dos deficientes, tanto da guerra dos 16 anos, como das últimas explosões do paiol de Mahlazine em 2007, em “Cavaqueira do Poste”, Tendeu, a personagem sem membros superiores, é um exemplo vivo.

Ele conta: “Os bandidos chegaram à aldeia e queimaram todas as casas. Quando chegaram a minha casa mataram o meu pai. A minha mãe carregou o bebé e foi esconder-se atrás da casa. E depois, o bebé começou a chorar”. Em cena, tais bandidos matam-lhe a mãe, para logo depois obrigarem-no a matar o irmão – algo que, não tendo feito, valeu-lhe a perda de braços. Abandonado, “agora estou na rua e ninguém me ajuda”, lamenta o enfermo.

Riqueza para cães, pobreza para homens

“Um cão, se tiver a sorte de pertencer a um bom dono – o que é frequente hoje em dia,” vive melhor que os seres humanos. Afinal, em sociedades modernas, “os poderosos encarregam as pessoas de dar banho ao cão; fazer-lhe compras em supermercados”. Exemplo disso é que, conforme Tendeu, há, em Maputo, hotéis cujo acesso é coarctado ao homem a favor de cães.

“Quando eu cheguei vi um senhor que estava a ser proibido de entrar no hotel, porque estava mal vestido, mas ao mesmo tempo, outro entrava com os seus cães”, conta o actor completamente apavorado.

Portanto, de mera “situação de espírito, aquilo que nós – os mendigos – sentimos dentro de nós, quando temos uma coleira que nos prende ao poste”, em “Cavaqueira do Poste” “ser cão” evolui para uma situação bem favorável, valendo a pena ser-se um indivíduo bajulador para singrar na nossa sociedade. É por isso que, reconhecendo as vantagens que alguns “cães”, servis, possuem, Tendeu assume que é melhor ser, antes, um cão rico, do que homem pobre.

Mais displicente é que, para os actores – ambos deficientes –, “a sociedade nunca será capaz de nos ver como seres humanos, tão-pouco como cães”. Na impossibilidade de singrar, os actores revelam que o melhor é ser um “lambe-botas”. Todavia, o casal Guebuza – para quem Calvino gostaria de pertencer como cão – “já tem dono, um escovinha”.

Providencialismo Medieval

Embora destinada a uma intervenção social rápida, a “Cavaqueira do Poste” é uma fonte de conhecimento social, filosófico e mitológico em que, com base numa abordagem racional em volta das causas da crise financeira global, com Tendeu a defender a miséria e a má distribuição das riquezas entre os homens, e Calvino, a sustentar que os nascimentos são maiores que os recursos disponíveis, como as causas da crise, os actores “desaguam na burlesca história providencialista da idade média”.

“É que o Drumond Galaska não volta. E se ele não voltar, nós vamos permanecer nesta situação”, assinala Calvino metaforizando o providencialismo que se vivia na idade média. Parao efeito, os actores travam junto ao poste uma cavaqueira, ou seja, “uma conversa amena e civilizada” a vida inteira, aguardando “o milionário Drumond Galaska”, cá entre nós uma entidade divina, “o qual dizem ter-lhes prometido tirar da pobreza”.

Outro aspecto não menos importante é que, olhando para os dias actuais em “Cavaqueira do Poste”, os actores tentam “endireitar o desfasamento entre os pobres – ociosos – e os ricos – gulosos”, como afirma o director artístico da obra, Elliot Alex, o qual é secundando por Calvino em cena:

“Na verdade, comparando com o que eles têm (os ricos, nós – os mendigos ou pobres) não precisamos de muito. Precisamos de um pouco de respeito, dignidade e do pão de cada dia”.

Exibida no último fim-de-semana, a “Cavaqueira do Poste” é, portanto, a primeira peça que marca o nascimento de mais uma colectividade teatral no país. Em Maio, irá protagonizar uma exibição no âmbito do Festival de Inverno que arranca, brevemente, em Maputo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!