Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Morreu o Mestre Malangatana

Morreu o Mestre Malangatana

O pintor mor de Moçambique Malangatana Valente Ngwenha faleceu na madrugada do dia 5 de Janeiro em Portugal, no hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, vítima de prolongada doença. Segundo a escreve a agência LUSA, Malangatana encontrava-se em Portugal e sentiu-se mal em casa da filha de onde foi evacuado para hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, onde viria a perder a vida.

Malangatana Valente Ngwenya nasceu a 6 de Junho de 1936 em Matalana, distrito de Marracuene. Na sua juventude, frequentou escola de missionários e trabalhou com a sua mãe no campo como pastor. Aos 12 anos, mudou-se à cidade de Lourenço Marques (na actualidade Maputo), onde trabalhou como “moleque” (cuidando de meninos filhos dos colonos).

Em 1953, trabalhou como pelotero num clube de tênis, o que lhe permitiu continuar sua educação no curso nocturno. Depois começou o interesse pela arte.

Em 1960 converteu-se em artista profissional, graças ao apoio recebido do arquitecto português Pancho Miranda Guedes, quem entregou-lhe um lugar onde pôr sua oficina. Augusto Cabral, membro do clube de tênis, entregou-lhe materiais e ajudou-o a vender suas obras de arte.

Em 1964 Malangatana foi detido pelo PEDE, a polícia secreta portuguesa, que o relacionava a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo). Depois de estar preso durante 18 meses, foi libertado porque não se pôde comprovar as suas ligações à Frelimo.

Desde essa data a sua obra refletiu a situação política de seu país. Depois com a chegada da paz em 1992 e as eleições em 1994, seu estilo começou a refletir um período mais optimista da história de Moçambique.Foi deputado do Partido Frelimo desde 1990 até 1994 e membros da Assembleia Municipal de Maputo.

A obra do Mestre

A obra de Malangatana com frequência concentra-se nos acontecimentos histórico políticos de seu país, sobretudo até a Independência de Moçambique em 1975. Fazia referência ao colonialismo português e à luta anticolonial, a guerra civil e a independência do país.

A sua obra mais recente, ainda que explorando temas amplos e universais da violência e a resistência e capturando a dureza da vida humana e seus aspectos heroicos, tem vindo a adquirir desde os anos 80s um carácter sensual muito marcado e constitui-se em um grande canto ao amor “eros”, fundamentalmente.

A obra de Malangatana é gigantesca, com uma concentração de pinturas ao óleo (tanto de grande tamanho sobre teia e masonite como em pequeno formato sobre papel)e de desenho à tinta sobre papel. Malangatana tem uma importantísima colecção na sua própria casa do Bairro Aeroporto, aberta quem queira visitá-la, que irá integrar o grande museu que constrói em Matalana, com planos do Arquitecto “Pancho” Miranda Guedes.

Exposições e Prêmios

Em 1958, Malangatana realizou algumas apresentações no Núcleo de Arte, uma organização local de artistas que ainda subsiste e com a qual ainda colabora, e recebeu apoio do pintor Ze Julio. No seguinte ano, teve sua primeira exposição pública, tinha 25 anos de idade.

Em 1963, publicou alguns dos seus poemas no jornal Black Orpheus” (célebre revista publicada na Nigéria por Ulli Beier e Wole Soyinka, entre outros) e sua obra foi publicada na antología de Poesia Moderna da África.

Encontra-se ainda a colecção do Museu Nacional de Arte Africano em Washington DC, nos EUA. Assim mesmo, tem elaborado numerosos murais, incluindo para a Unesco. Tem murais pintados ou gravados em cimento em vários pontos de Maputo e na cidade da Beira; na África do Sul; no Chile; na Colômbia; nos Estados Unidos da América; na Grã-Bretanha; na Suazilândia; e na Suécia.

A sua obra, para além dos murais e das duas esculturas em ferro instaladas ao ar livre é composta por Pintura, Desenho, Aguarela, Gravura, Cerâmica, Tapeçaria, Escultura e encontra-se (exceptuando a vastíssima colecção do próprio artista) em vários museus e galerias públicas, bem como em colecções privadas, espalhadas por inúmeras partes do Mundo. Do Mestre é também uma escultura monumental na antiga fábrica Mabor, em Maputo, no bairro do Zimpeto.

Malangatana ajudou a criar várias instituições culturais em Moçambique e foi fundador do Movimento pela Paz. Recebeu a Medalha Nachingwea pela sua contribuição à Cultura Mozambicana e foi investido como Grande Official da Ordem do Infante D. Henrique pelo governo de Portugal.

Em 1997, foi nomeado Artista pela Paz pela UNESCO e recebeu o Prêmio Príncipe Claus.

A obra de Malangatana tem viajado para exposição um pouco pelo mundo sendo um dos poucos artistas estrangeiros que foi nomeado membros honorario da academia de artes da extinta República Democrática Alemã.

Algumas Exposições Individuais

1961 – Edifício das Associações Económicas, Lourenço Marques.

1985 – Atelier de António Inverno, Lisboa. Desenho na Galeria Almadanada, Almada.

1986 – II Bienal de Havana. Exposição retrospectiva, Museu Nacional de Arte – 25 anos do artista/50 anos de idade, Maputo. Exposição retrospectiva, Leipzig, Chiverine e Berlim.

1987 – Exposição retrospectiva, Sófia. Exposição retrospectiva, Palais Palphy e AAIC, Viena.

1989 – Grenwich Citizens Gallery, Londres. Exposição retrospectiva, Sociedade Nacional de Belas- Artes, Lisboa. Worlds Maaimat 90, Jaensun, Finlândia. Algumas Exposições Colectivas 1961 – “Imagination 61”, Universidade do Cabo, África do Sul.

1985 – “10º Aniversário da República Popular de Moçambique”, Casa dos Bicos, Beira e Núcleo de Arte, Maputo. “Artistas do Mundo contra o Apartheid”, Roissy-Ch. de Gaule e La Maison de L’Etranger, Marselha. “Hommage aux Femmes”, Berlim.

1986 – Semana de Moçambique, Roma. Exposição colectiva de Paço D’Arcos. 1987 – Semana Cultural de Moçambique, Estocolmo.

1989 – Aniversário da OUA, Maputo. Aniversário da ONJ, Maputo. 5º Congresso do Partido Frelimo, Maputo. “Amor e Arte”, Maputo. “Encontro de Escritores de Língua Portuguesa”.

Alguns Prémios

1959 – Menção honrosa no I Concurso de Artes Plásticas de Moçambique, Associação dos Naturais de Moçambique, com “Mulher na Cidade”.

1962 – 1º Prémio de Pintura “Comemorações de Lourenço Marques”, com “A Humaninade”.

1968 – 2º Prémio de Pintura (ex-aequo” “Comemorações do 24 de Julho”, com “Última Ceia”.

1970 – Diploma e Medalha de Prata como Membro “Honoris Causa” da Academia Tomase Campanella de Artes e Ciência.

1971 – Bolseiro em Lisboa da Fundação Calouste Gulbenkian, em cerâmica e gravura. 1982 – Artista convidado para “Artistas do Mundo contra o Apartheid”, das Nações Unidas.

1984 – Medalha Nachingwea, pela contribuição dada à Cultura Moçambicana.

1985 – Artista convidado para presidir ao júri da National Annual Art Exhibition os Zimbabwe.

1989 – Prémio de Artes Plásticas atribuído pela secção Portuguesa da Assocition International des Critiques d’Art (AICA-SEC).

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!