Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
ADVERTISEMENT

O G8 Ambiental adota uma ‘carta’ sobre a biodiversidade

Os ministros do Meio Ambiente do G8 e dos países emergentes adotaram nesta sexta-feira, em Siracusa, uma “carta” sobre a biodiversidade, considerada “indispensável para a regulação do clima”.

Neste documento de 25 pontos, os ministros do Meio Ambiente afirmam reconhecer que “a biodiversidade e os ecossistemas desempenham um papel-chave na manutenção do bem-estar humano e são essenciais para permitir que sejam atingidas as metas de desenvolvimento do Milênio” fixadas pela ONU.

A Carta vincula explicitamente a manutenção da biodiversidade à luta contra o aquecimento global: “a biodiversidade é indispensável à regulação do clima”, indicam os países participantes no documento. Eles declaram que, longe de não estarem relacionados a interesses econômicos, a biodiversidade e os recursos fornecidos pelos ecossistemas (água, ar,…) são essenciais e que é preciso levar em consideração o que representaria a sua perda, principalmente para os países pobres.

A Carta afirma que a biodiversidade deve ser mantida e restaurada em matéria de florestas, de pesca e de agricultura, e considera que a ciência e a pesquisa devem ser estimuladas e reforçadas. Por fim, ela adverte que é necessário um esforço comum na defesa da biodiversidade, indicando que “os múltiplos desafios que o mundo enfrenta hoje são um sinal evidente da necessidade de se aumentar os esforços para conservar e gerir de forma responsável a biodiversidade e os recursos naturais”.

Pouco antes da divulgação da Carta, o Brasil havia proposto a adoção de uma taxação de 10% sobre os lucros da indústria petroleira para alimentar o fundo de proteção ao meio ambiente para que os países em desenvolvimento possam financiar os esforços necessários de luta contra o aquecimento global. “Estamos convencidos de que somente os créditos de carbono não serão suficientes para financiar as adaptações necessárias para atingir a meta das Nações Unidas de limitar o aumento das temperaturas a 2ºC no fim deste século”, afirmou Carlos Minc, o ministro brasileiro do Meio Ambiente durante uma entrevista à imprensa.

O ministro brasileiro, que representa o Brasil na presidência do grupo dos 17 países em desenvolvimento, que representa a maior parte da biodiversidade mundial, indicou ainda que o Brasil conseguiu em Siracusa que a defesa da biodiversidade seja colocada entre as prioridades de Copenhague, no mesmo plano do aquecimento global. Carlos Minc disse ainda que a reunião na Itália foi boa porque como não foi decisória e viabilizou trocas construtivas entre os países do G8 e os demais. O G8 (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Itália, Canadá, Rússia, Alemanha, Japão) convidou para estas discussões, além do Brasil, China, Índia, México, África do Sul, Austrália, Coreia do Sul, Egito e Indonésia.

A Comissão Europeia, representada pela República Tcheca, que detém atualmente a Presidência rotativa da União Europeia, e a Dinamarca, que sediará a reunião de Copenhague em dezembro de 2009, também estavam presentes.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!