Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Novos confrontos em Benghazi deixam nove mortos e 30 feridos, segundo um médico

Fortes confrontos eclodiram, esta terça-feira (16), entre as forças de um ex-general da Líbia e combatentes islâmicos na cidade oriental de Benghazi, matando pelo menos nove pessoas, disseram os médicos.

Islamitas armados estão a tentar tomar o aeroporto civil e militar de Benghazi sob controle das tropas governamentais aliadas ao ex-general do exército Khalifa Haftar, num dos vários conflitos que atingem a Líbia três anos após a derrubada de Muammar Khaddafi.

O governo e o Parlamento já tiveram que deixar a capital, Trípoli, depois de os combatentes tomarem o controle na região. No confronto desta terça-feira em Benghazi, nove soldados foram mortos e 30 ficaram feridos quando os islamitas fizeram nova investida para se aproximar do aeroporto, disse um médico do hospital.

“Nós ainda estamos a controlar o aeroporto”, disse Saqer al-Jouroushi, comandante da defesa aérea de Haftar, acrescentando que as suas tropas tinham conseguido deixar prontos quatro helicópteros velhos e quatro caças MiG da era Khaddafi.

Haftar, que serviu no exército de Khaddafi e foi acusado pelo governo pós-revolução de tentar dar um golpe contra ele, declarou guerra contra várias facções islâmicas e juntou-se as forças do governo em Benghazi. Mas o fraco governo é incapaz de controlar os ex-rebeldes que ajudaram a derrubar Khaddafi e agora estão a lutar entre si pelo poder.

As potências ocidentais e vizinhos da Líbia temem que o país se transforme em um Estado falido. O governo da Líbia e Câmara dos Deputados eleita no mês passado mudaram-se para a remota cidade do leste Tobruk, depois de um grupo armado da cidade ocidental de Misrata tomou Trípoli e a maioria das instituições governamentais.

As forças de Misrata agora no controle de Trípoli montaram um parlamento rival e um governo que não foram reconhecidos pela comunidade internacional. Embora a maior parte dos confrontos na capital tenham terminado, as forças de Misrata vêm tentando cercar a área tribal do Warshefana, a oeste de Trípoli.

Os moradores relatam fortes bombardeios durante semanas. “Os combates em Warshefana, que vêm ocorrendo há várias semanas, deixaram muitos mortos e feridos, e afectaram seriamente os serviços de saúde na região”, disse o Comité Internacional da Cruz Vermelha num comunicado depois de uma das suas equipes entregarem ajuda a um hospital local.

“O hospital, sobrecarregado pelo fluxo de pacientes feridos de guerra e virtualmente isolado do mundo exterior, tem sido assolado por uma grave escassez de medicamentos e suprimentos médicos”, disse a Cruz Vermelha.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!