Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Novo primeiro-ministro da Líbia começa a formar governo

Abdurrahim el Keib, um obscuro académico eleito para comandar o novo governo líbio, começou esta terça-feira, a escolher o seu gabinete, com a expectativa de conseguir reunir, sob um ambiente pacífico e democrático, os díspares grupos que derrubaram Muammar Khadafi.

Keib passou décadas exilado como dissidente, a leccionar engenharia eléctrica. As suas origens familiares em Tripoli e os períodos passados nos EUA e nos países do golfo Pérsico ainda estão a ser examinados por analistas em busca de explicações para a sua surpreendente eleição pelos membros do Conselho Nacional de Transição (CNT).

Alguns dizem que a sua ligação com a capital serve como contraponto à influência de Benghazi, segunda maior cidade do país e berço da revolução.

As rivalidades históricas entre o oeste da Líbia (onde fica Tripoli) e o leste (onde se situa Benghazi) são uma das muitas divisões existentes entre os 6 milhões de líbios – às quais se somam também divergências ideológicas, étnicas e tribais.

Outro factor que parece ter contribuído com a escolha de Keib é o facto de ele não ter participado no regime de Khadafi, ao contrário do que ocorreu com Mustafa Abdel Jalil, presidente do CNT, e com outros dirigentes.

Pesou a favor dele também ter permanecido na Líbia durante a guerra deste ano, ao contrário do seu antecessor, o primeiro-ministro interino Mahmoud Jibril. Keib recebeu os votos de 26 dos 51 integrantes do CNT, na segunda-feira.

Jibril já havia anunciado a intenção de deixar o cargo assim que o país estivesse totalmente “liberado” – o que ocorreu com a morte de Khadafi e o fim da resistência dos seus partidários. De acordo com um cronograma estabelecido pelo CNT,

Keib tem duas semanas para formar o seu gabinete provisório. No primeiro semestre de 2012, haverá eleições para uma Assembleia Constituinte.

Um dos desafios mais imediatos de Keib será controlar as milícias armadas que brotaram por todo o vasto e despovoado território líbio durante a guerra civil, além de procurar a reconciliação com os seguidores do antigo regime.

Membros do CNT e ex-colegas de Keib da época em que ele leccionava na Universidade de Tripoli, na década de 1970, descrevem o novo líder como uma pessoa “tranquila e amistosa”, e dizem que ele ajudou a financiar a rebelião anti-Khadafi.

Keib não fez promessas específicas para os próximos meses, mas disse que as preocupações com o destino dos contratos petrolíferos com empresas estrangeiras são infundadas.

“Entendemos que tivemos 42 anos sob um ditador brutal (…), e que há preocupações. Mas não deveria haver”, afirmou. “Exigimos respeito pelos nossos direitos nacionais.”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!