Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Novo governo de Honduras determinado a não ceder às pressões

O presidente designado pelo Congresso de Honduras, Roberto Micheletti, está determinado a não ceder às crescentes pressões da comunidade internacional para o retorno do presidente deposto Manuel Zelaya, ao mesmo tempo que restringe liberdades para reduzir a oposição.

Micheletti, numa entrevista exclusiva à AFP, afirmou que o presidente deposto “nunca vai retornar ao poder”. Também não parece preocupado com a advertência de expulsão por parte da Organização dos Estados Americanos (OEA).

“Nada temos a negociar. As coisas estão se encaminhando”, respondeu Micheletti à AFP sobre um possível diálogo com a OEA e a comunidade internacional, que condenaram a saída de Zelaya, deposto no domingo pelo Exército, após enfrentar a Justiça e o Congresso para realizar um referendo sobre a reforma da Constituição. “Se a comunidade internacional considera que cometemos algum erro, algum crime, que nos condene e pronto. Aqui é a autodeterminação do povo”, disse Micheletti, que considera que 80% dos hondurenhos concordam com a saída de Zelaya.

“Vamos resolver nossos problemas como pudermos, mas este governo terá apenas seis meses. Quando elegermos nossas novas autoridades, eles (a comunidade internacional) terão a liberdade de abrir espaço para os novos governantes”. Micheletti “garantiu” que no dia 29 de novembro haverá novas eleições gerais, como está previsto no calendário eleitoral, e que em 27 de janeiro entregará o poder ao novo presidente eleito.

O Congresso de Honduras aprovou na quarta-feira a restrição “parcial” das garantias constitucionais, por 72 horas, acatando proposta do governo. “A restrição autoriza a prisão de suspeitos por mais de 24 horas e suspende garantias como a liberdade de associação e de reunião, e o direito de livre circulação”, revelou a deputada Doris Gutiérrez, do partido Unificação Democrática (esquerda).

Marcia Villeda, do Partido Liberal, destacou que a iniciativa apresentada pelo presidente interino, Roberto Micheletti, “é basicamente uma restrição parcial, que estará vigente com o toque de recolher”. A pressão da comunidade internacional para exigir o retorno de Zelaya, que na quarta-feira assistiu à posse do novo presidente do Panamá, Ricardo Martinelli, prosseguem nesta quinta-feira.

Todos os países da União Europeia (UE) com representação diplomática em Tegucigalpa convocaram para consultas os embaixadores em Honduras, anunciou o chanceler espanhol Miguel Angel Moratinos. “Esta decisão é um sinal claro da posição europeia, da comunidade internacional, e as autoritades provisórias terão que refletir”, afirmou.

Na quarta-feira, o governo dos Estados Unidos suspendeu as atividades militares com as Forças Armadas de Honduras e deixou para a próxima semana o anúncio de um eventual congelamento da ajuda a este país. Os principais organismos financeiros internacionais, como o Banco Mundial, também decidiram congelar os empréstimos ao país em consequência da destituição de Zelaya.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!