Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Novo gabinete toma posse no Egito sem nenhum ministro islamita

Os líderes egípcios apoiados pelo Exército deram posse a um gabinete interino, esta Terça-feira (16), depois de uma noite de violência nas ruas sem nenhum ministro que represente algum dos dois grupos islâmicos do país que venceram cinco eleições seguidas desde 2011.

Sete pessoas foram mortas durante a noite e mais de 260 ficaram feridas em batalhas entre partidários do presidente deposto Mohamed Mursi e as forças de segurança.

Num salão do palácio presidencial, 33 ministros, na sua maioria liberais e tecnocratas, receberam a posse do presidente Adli Mansour, um juiz instalado como chefe de Estado pelo Exército quando os militares depuseram Mursi a 3 de Julho.

O chefe das Forças Armadas, Abdel Fattah el-Sisi, que depôs Mursi, recebeu o cargo de primeiro vice do primeiro-ministro interino, Hazem el-Beblawi, um economista liberal de 76 anos que recebeu a missão de estabelecer um “roteiro” para restaurar o poder civil e consertar a economia do país.

A Irmandade Muçulmana, movimento de Mursi, criticou a posse. “É um governo ilegítimo, um primeiro-ministro ilegítimo, um gabinete ilegítimo. Não reconhecemos nenhum deles. Sequer reconhecemos a autoridade deles como representantes do governo”, disse o porta-voz Gehad El-Haddad à Reuters.

Nenhum dos novos ministros pertencem à Irmandade ou à Nour, o outro grande grupo islâmico do país. Juntos eles venceram as eleições parlamentares e dois referendos constitucionais desde a revolta de 2011 que derrubou o então presidente Hosni Mubarak.

O Exército disse que estava a atender a vontade popular quando derrubou Mursi depois de milhões terem ido às ruas para exigir a sua renúncia no fim de Junho. Um porta-voz de Mansour, o presidente interino, disse que a Nour e a Irmandade receberam ofertas para integrar o gabinete e disse acreditar que os dois grupos participariam da transição.

A Irmandade disse que jamais vai ceder em sua exigência para que Mursi volte ao poder e a Nour afirmou que está a reservar julgamento sobre o gabinete por enquanto.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!