Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Nós somos “Os filhos de Mussa Mbiki”

“Em África, senão em Moçambique, os mortos têm muito poder, muita presença. São eles que iluminam os vivos, lhes inspiram gestos, sentimentos, venerações e/ou anátemas”. Quem assim explica é o escritor lusitano Fernando da Costa no prefácio do livro “Os filhos de Mussa Mbiki”, da autoria do escritor português radicado em Moçambique, José Pinto de Sá, lançado nesta quarta-feira, em Maputo.

Na obra, José Pinto, rebusca vivencias tristes e assombrosas que antecedem a independência em Moçambique: os costumes, os hábitos, as crenças, o sofrimento obtido na batalha contra a fome, a escravidão e o colono.

Para José Pinto, autor do livro, genericamente a obra é um realce ao apelo a paz em Moçambique. No entanto, para além de trazer narrações que versam momentos marcantes, embora tristes, dos filhos de “Mussa Mbiki”, em oito histórias, José Pinto, consegue trazer a sociedade actual, que nunca viu a guerra, a reflexão e a exortação ao convívio harmonioso.

“Felizmente estas histórias são do passado. Trata-se de situações que decorreram a mais de 20 anos atrás, mas nem com isso é preciso que as gerações actuais e as futuras, que ditosamente, não viram a guerra, saibam do mal que ela traz numa sociedade e, que não permitam que volte de novo”, aconselha José Pinto.

De acordo com Fernando da Costa, que fez o prefácio do livro, José Pinto perscrutou a vida dos seus concidadãos, mostrando-lhes o tempo de sofrimentos. “O autor percebeu – cedo – que a inexistência da memória – sobretudo na história de um povo – esvazia o futuro. Dai que tenha, através de narrativas sobre percurso do seu povo, retido quotidianos de tempos, de situações enraizados de Moçambique”.

Justificando a mudança da grafia, de Moçambique para Mussa Mbiki, José Pintou disse que é na tentativa de trazer histórias passadas que o moveu a lembrar-nos de Xeique Mussa Al Mbiki, um governante árabe que atribui esse nome a uma ilha, situada na província de Nampula, actualmente ilha de Moçambique, o mesmo que posteriormente foi atribuído ao país.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!