Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Nhamatanda: inundações podem afectar 18 mil pessoas

Cerca de 18 mil pessoas residentes na ribeira das bacias de Púnguè e Metuchira, distrito de Nhamatanda, província central de Sofala, estão em risco de inundações na presente época chuvosa.

Trata-se das comunidades de Matenga, Bebedo e Nampoca, que se encontram em situação de risco, na sequência da subida do caudal do rio Púngué que, neste momento, por exemplo, está a menos de 45 centímetros para atingir o nível de alerta (6.50 metros).

Contrariamente ao Púngué, a bacia de Metuchira voltou ao seu leito, depois do abrandamento das chuvas. Há semanas, este rio provocara o isolamento das comunidades das duas margens devido as inundações que chegaram a impedir a circulação rodoviária. A ponte ficou toda submersa.

Contudo, citado pelo jornal ‘Notícias’ de hoje, o administrador de Nhamatanda, Sérgio Moiane, adverte que apesar do abrandamento das chuvas, o perigo se mantém uma vez que está a iniciar a fase de pico das chuvas e as previsões meteorológicas apontarem para chuvas abundantes à montante daquele do rio Metuchira.

Aliás, até agora a população de Nhampoca e Bebedo está cercada pelo rio Metuchira, e o único meio de transporte usado é a canoa.

Semana passada, o Governo mobilizou uma embarcação a motor usada para a travessia do rio, enquanto se finalizam as obras de construção de uma ponte.

Por causa do risco, as autoridades locais estão a sensibilizar as populações locais no sentido de se retirarem das suas zonas de residência para o bairro de reassentamento.

Segundo Moiane, já foram reactivados os Comités Locais de Gestão de Riscos de Calamidades e Comissão Distrital de Emergência para lidarem com a situação de risco que se aumenta.

O administrador disse que tudo está sendo preparado para evitar que as pessoas fiquem afectadas pelas intempéries e algumas delas já saíram das áreas susceptíveis a inundações. A fonte disse que, neste momento, estas zonas de risco servem apenas para a prática agrícola.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!