Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Necessária uma nova função social para a juventude

Jovens moçambicanos defenderam, Terça-feira, a necessidade de estabelecer-se uma nova função social, onde a juventude desempenha um papel mais proactivo em relação a saúde e vida do país.

A transparência é um dos pilares da boa governação e a chave para a participação social no aprofundamento da democracia e para que seja efectiva é fundamental a existência de instrumentos legais intersectoriais e inclusivos, formulados com base num debate público abrangente.

O sentimento foi expresso hoje, em Maputo, pelo Presidente do Parlamento Juvenil, Salomão Muchanga, a margem do debate sobre Transparência, inspirado na Carta Africana sobre Democracia, Eleições e Governação, cujo orador principal é o director da Unidade Técnica de Reforma Legal (UTREL), Abdul Carrimo.

Muchanga disse que debates deste género têm o carácter particular de estabelecer um novo paradigma de intervenção social e política para a juventude no processo de desenho, elaboração, implementação, avaliação e monitoria das políticas públicas das leis.

”Este encontro é importante porque estabelece mecanismos eficientes de diálogo social ideal entre a juventude e os governantes”, disse Muchanga.

Segundo a fonte, as políticas públicas devem reflectir um sentido de pertença à Nação e esse sentido invoca, em primeiro lugar, o debate público, aberto e inclusivo, porquanto “país é o que é pelo debate público que tem, um país é o que é pela juventude que tem”.

No capítulo da justiça, que será tónica dominante no encontro de apenas um dia, o presidente disse que os jovens estão profundamente preocupados com a justiça distributiva, por um lado, porque o seu grande anseio e’ construir um país onde haja algo para todos e não tudo para alguns.

Em relação as penas de prisão, a fonte disse que o desiderato da agremiação é que, além de encarcerar os jovens, haja também uma perspectiva pedagógica para que as cadeias sirvam para recuperar os criminosos, todavia o que se assiste que é os criminosos saem piores que antes.

”Nós queremos que as cadeias deixem de ser locais de preparação de criminosos mais perigosos”, disse a fonte, apontando que o futuro do país depende daquilo que a juventude puder fazer hoje.

No encontro, de apenas um dia, pretende-se reflectir de forma inclusiva sobre o papel do sistema de administração da justiça na promoção da transparência com vista ao aprofundar a democracia.

Os participantes, na sua maioria jovens, apresentarão as suas preocupações, sensibilidades, propostas e desafios específicos da juventude para a promoção do acesso à justiça restaurativa, à transparência, à ética governativa e ao acesso a informação.

A proposta de instrumentos adequados e eficientes para o estabelecimento e monitoria de medidas alternativas às penas alternativas, assim contribuir para o estabelecimento e na monitoria de um código de conduta dos titulares de cargos de decisão nos órgãos do Estado são outros temas de debate.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!