Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Nave da Nasa entra com sucesso na órbita de Marte

Uma nave espacial robô da Nasa ejectou os seus foguetes de desaceleração no domingo (21), encerrando uma jornada de 10 meses para colocar-se na órbita de Marte e começar uma caçada por vestígios de água no planeta vermelho.

Depois de viajar 71 milhões quilómetros, a nave nomeada Maven (sigla em inglês para Mars Atmosphere and Volatile Evolution), ejectou os seus seis foguetes propulsores, reduzindo a sua velocidade de 20.600 km/h para 16.093 km/h.

“Não tenho mais nenhuma unha, mas conseguimos”, disse Colleen Hartman, vice-director de ciência da Nasa, no Centro Aeroespacial Goddard, em Greenbelt, no Estado norte-americano de Maryland, durante uma transmissão de TV sobre a missão da Maven.

A Maven vai estudar como os ventos solares retiram átomos e moléculas da atmosfera superior do planeta vermelho, um processo que os cientistas acreditam estar em curso por milénios.

“Ao aprender sobre o processo que ocorre hoje, esperamos extrapolar para o passado e conhecer a história de Marte”, disse o cientista John Clarke, vinculado à Universidade de Boston e dedicado à missão da Maven, numa entrevista à Nasa TV.

Os cientistas acreditam fortemente que Marte não foi sempre seco e frio como hoje. A superfície do planeta é coalhada com o que parecem ser cursos secos de rios, cheios de minerais que se formam na presença de água. Mas para que a água se acumulasse na superfície do planeta, a sua atmosfera deveria ser muito mais densa e espessa do que a actual.

A atmosfera de Marte é hoje 100 vezes mais fina do que a da Terra. Os cientistas suspeitam que Marte perdeu 99 por cento da sua atmosfera ao longo de milhões de anos, à medida que o planeta esfrious-e e teve uma decaída no seu campo magnético, permitindo que partículas carregadas nos ventos solares afastassem moléculas de água e outros gases atmosféricos.

O aprendizado sobre como Marte perdeu a sua água é crucial para entender se o planeta que mais se assemelha à Terra no sistema solar teve em algum dia as condições para o surgimento da vida. A missão de 671 milhões de dólares da Maven está prevista para durar um ano.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!