Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Não fui acusado por ninguém sobre os medicamentos fora de prazo – Ivo Garrido

Ainda não fui acusado por ninguém. A imprensa tem todo o direito de veicular aquilo que lhe interessar, mas eu ainda não fui acusado formalmente pelas instituições. O dia que for acusado, irei responder, explicou Ivo Garrido, quando questionado pela equipa da estação televisiva Stv, na semana passada, na província de Gaza.

O fantasma dos medicamentos fora do prazo persegue o antigo titular da pasta da Saúde porque parte dos fármacos em causa tem o prazo de validade vencido em 2006. Isto é, no período em que Garrido era ministro da Saúde.

Aliás, o próprio director da Central de Medicamentos, no Ministério da Saúde, Paulo Nhaducuo, disse à Agência Sida que os medicamentos teriam expirado o prazo devido a um “erro de gestão”.

Directa ou indirectamente, Nhaducuo referia-se aos gestores confiados pelo antigo ministro da Saúde, exonerado do cargo em Outubro do ano passado.

Entretanto, há menos de uma semana, o actual ministro da Saúde, Alexandre Manguel, excussou-se a falar de responsabilização de pessoas em relação a este caso, tendo na ocasião dito que a grande preocupação das autoridades sanitárias é destruir os medicamentos em referência, para permitir a entrada do novo lote que já está a chegar ao país.

Na semana passada, um levantamento indicou que só em medicamentos antiretrovirais fora do prazo, os números apontam para 1,172.340 unidades. Maior destaque vai para a combinação de Lamivudina, Nevirapina e Estavirapina. Também havia preservativos masculinos e testes de HIV expirados.

Crise no sector

A aquisição de medicamentos está no topo das despesas do Ministério da Saúde (MISAU). Dados oficiais indicam que por ano são gastos perto de 100 milhões de dólares americanos.

Para 2011, o sector precisa mobilizar, junto dos parceiros de cooperação, 78 milhões de dólares para esse fim. Todavia, os próprios parceiros já manifestaram a sua saturação pela responsabilidade que foram sujeitos a assumir no que respeita à saúde em Moçambique.

Num encontro realizado no último mês, em Maputo, juntando quadros do Ministério da Saúde e os parceiros de cooperação, Marco Guerritsen, em representação dos parceiros, disse que o montante que o governo moçambicano aloca ao MISAU, através do Orçamento do Estado, para além de ser exíguo, tem uma tendência a diminuir.

“Ao invés dos fundos externos serem considerados como adicionais aos esforços de Moçambique para alcançar os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio na Saúde, estes estão a substituir as contribuições internas”, criticou Marco Guerritsen. Por ano, os parceiros de cooperação alocam, no Ministério da Saúde, 80 milhões de dólares americanos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!