Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mulheres sauditas votam pela primeira vez em eleições locais

As mulheres da Arábia Saudita votaram pela primeira vez em eleições de conselhos locais neste sábado e também participaram como candidatas, um gesto saudado por alguns activistas do patriarcado islâmico como uma mudança histórica -– mas, para outros, tratou-se de uma medida meramente simbólica.

“Como primeiro passo, é uma grande conquista. Agora sentimos que somos parte da sociedade, sentimos que contribuímos”, disse Sara Ahmed, uma fisioterapeuta de 30 anos, quando entrava em uma secção eleitoral no norte da capital, Riad. “Conversamos muito sobre isso, é um dia histórico para nós”.

A votação, ocorrida na sequência de pleitos restritos a homens em 2005 e 2011, irá escolher dois terços dos assentos de conselhos que anteriormente só tinham poderes consultivos, mas agora terão um papel decisório limitado no governo local. Esta ampliação adicional do direito de voto levou alguns sauditas a alimentarem a esperança de que a família real Al Saud, que indica o governo nacional, eventualmente realize outras reformas que ampliem o sistema político.

A Arábia Saudita é o único país do mundo no qual as mulheres não podem conduzir e o “guardião” de uma mulher, normalmente o pai, marido, irmão ou filho, pode impedi-la de viajar para o exterior, de casar-se, trabalhar, estudar e fazer certas cirurgias opcionais.

Sob o comando do rei Abdullah, que morreu em Janeiro passado e que em 2011 anunciou que as cidadãs poderiam votar na eleição actual, foram adoptadas medidas para as mulheres terem uma actuação pública maior, encaminhando mais delas às universidades e incentivando o trabalho feminino.

Mas, embora o sufrágio universal tenha sido um momento transformador em muitas outras nações em busca de igualdade de géneros, o seu impacto na Arábia Saudita deve ser mais limitado, devido a uma ausência mais ampla de democracia e do conservadorismo social persistente.

Antes de Abdullah decretar que as mulheres participariam do pleito deste ano, o Grã-Mufti, a autoridade religiosa máxima do reino, descreveu o envolvimento feminino na política como “abrir as portas ao mal”.

O ritmo das reformas sociais no país árabe, que embora em última instância seja ditado pela família Al Saud, também é fortemente influenciado pelo cabo de guerra entre conservadores e progressistas sobre como o país deveria casar sua tradição religiosa com a modernidade. Só 1,48 milhão dos 20 milhões de sauditas se registaram para votar nesta eleição, incluindo 131 mil mulheres – a apatia generalizada é em parte o resultado de uma votação sem partidos políticos, leis rígidas para as campanhas e da restrição a temas locais.

Por hora, de acordo com algumas das eleitoras que foram às urnas neste sábado, as esperanças de mudança se limitam a estes temas. “Acredito que as mulheres querem mais parques, bibliotecas para seus filhos, instalações de saúde e de cuidados com o corpo. E simplesmente ser parte das decisões”, opinou a fisioterapeuta Sara.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!