Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mulher e crianças continuam a levar porrada e pouco denunciam

Mulher e crianças continuam a levar porrada e pouco denunciam

Foto de Emildo SamboA violência doméstica contra a mulher ainda é uma realidade nua, flagrante e dura em Moçambique, onde este mal pouco tem rosto de um homem. As vítimas só elas sabem e têm a dimensão da crueldade a que estão ou foram sujeitas nos seus alares. Eriqueta Cossa, de 45 anos de idade, desabafou ao @Verdade ter sido pisoteada e levado “muita porrada com o meu ex-marido” e mantinha-se em silêncio como se nada ocorresse. “Foram anos e anos a sofrer calada e sem coragem para contar a ninguém o que eu passava porque tinha vergonha e medo” de denunciar ou contactar uma esquadra.

Esta mulher narrou que o seu silêncio, que durava anos, só chegou ao fim no dia em que a irmã mais velha visitou a sua casa, de repente, e calhou que no dia anterior tinha sido brutalmente espancada pelo marido.

“Eu estava a cara inchada e a minha irmã olhou para mim e perguntou o que passava. Quando chorei [inconsolável] ela percebeu que eu não tinha alguns dentes. Ela também chorou e perguntou desde quando o meu marido me batia”, disse Eriqueta, que falava à nossa Reportagem num debate sobre “violência doméstica contra mulher e rapariga”, na quarta-feira (07), no bairro de Bagamoyo, periferia da cidade de Maputo.

A história desta mulher, que volvidos sete anos de separação ainda se emociona quando se lembra do que viveu lado do seu cônjuge, é apenas um fragmento, insignificante, do drama por que muitas outras mulheres passam nas suas casas.

“Fomos ao Posto Policial de Bagamoyo e o oficial nos atendeu ficou arrepiado”, rematou a senhora, anotando que quando o suposto agressor foi detido, não faltou gente que pretendia que ela retirasse a queixa.

Elisa Cossa é outra das várias vítimas que estiveram no encontro organizado pelo Movimento “Kulhuka” e o Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM), no âmbito dos “16 Dias de Activismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”.

Com o rosto embebido de lágrimas, a senhora só conseguiu contar que o seu esposo a agredia fisicamente. “Eu dormia fora e quando eu fosse queixar no chefe de quarteirão ele ia atrás de mim, batia-me em público” e proferia ameaças de morte.

“Somos sobreviventes…”

Josina Machel, presidente do “Kulhuka” e filha da activista social Graça Machel, também relatou parte da sua experiência de violência doméstica, e disse que tanto ela como as outras mulheres com histórias de arrepiar são sobreviventes deste mal.

“Silêncio não! Mata, traz deficiência e traumas”, disse a activista lembrando aos presentes que também já foi esmurrada pelo namorado, tendo, como consequência, perdido o olho direito.

Ela apelou à sociedade para que, além de evitar a violência, transmita, sobremaneira, bons valores às crianças para que o mal a que nos referimos não prevaleça no futuro.

Mulheres que anulam queixas em defesa dos agressores

Alzira Manhiça, da Direcção do Género, Criança e Acção Social, no distrito Municipal KaMubukwana, disse que este ano foram registados 1.249 casos de violência doméstica contra a mulher, 678 e 230 envolvendo crianças e homens, respectivamente.

Segundo a senhora, há mulheres vítimas de violência doméstica que queixam às autoridades policiais, mas depois pedem a anulação do processo alegando os maridos não podem ser presos. “Este tipo de situações” concorrem para que “as mulheres continuem a sofrer maus-tratos”.

É também violento quem nega assistência aos filhos

Iraê Lundin, representante da Diakonia, classificou a violência doméstica como um assunto sério, cuja erradicação exige o envolvimento de todos os segmentos da sociedade.

De acordo com ela, não só violento aquele que bate, mas também quem nega prestar serviços de saúde, de educação e alimentação aos menores de idade, ou ao seu pai e encarregado de educação desprovido de condições para assegurar a sua própria sobrevivência.

Os números que ainda inquietam

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), a violência doméstica, é uma prática comum em África, e Moçambique não é excepção. Os milhares de casos reportados, com destaque para atrocidade contra mulheres e crianças, “os números podem não corresponder à realidade do que se passa no país todo”.

Por vezes, “muitas vítimas” mantêm-se “no silêncio por necessidade de protecção do agressor ou considerar como uma situação normal”, ignorando o facto de os seus direitos estarem a ser violados e colocarem em risco própria “saúde física e psíquica”.

Para o INE, entre 2013 e 2015, os casos de violência doméstica aumentaram em “crianças de 0 a 17 anos de idade” e a provincial de Nampula, mas houve “redução de em casos de adultos”.

“Cabo Delgado registou menos casos. Em adultos, as províncias de Sofala, Maputo, Manica e cidade de Maputo apresentaram casos de violência doméstica acima de 5000”.

Entretanto, para os organizadores do evento acima referido, a violência doméstica, seja ela psicológica, moral, patrimonial, ou de qualquer outra natureza, deve ser combatida.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!