Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Motown Records fez 50 anos

 

A editora discográfica Motown Records, uma das mais influentes da história da música e responsável pelo êxito dos grandes cantores afro-americanos das décadas de 1960 e 1970, de Stevie Wonder às Supremes, completou esta segunda-feira 50 anos.

Foi criada em Janeiro de ´59, sob o nome de Tamla, por Berry Gordy, compositor e empresário de Detroit.

A editora, que se transformou num império durante os anos 1960 e 1970, teve origem numa cave, arrendada graças a um empréstimo de 800 dólares da família de Gordy, em cujo interior este decidiu montar um pequeno estúdio de gravação.

Identificada com a música negra, a Motown conta com quase 200 canções que atingiram o primeiro lugar nas tabelas de vendas discográficas, como “Baby Love”, de The Supremes, e “My Girl” e “Papa was a Rolling Stone”, de The Temptations.

O primeiro tema assinado pela editora que alcançou o topo da tabela de êxitos nos Estados Unidos foi “Please Mr. Postman”, de The Marvelettes, em 1961, do qual The Beatles fizeram posteriormente uma versão.

A companhia foi também produtora de artistas como Stevie Wonder, Four Tops e Marvin Gaye e ajudou no início de carreira artistas como The Jackson Five, Michael Jackson, Diana Ross e Smokey Robinson.

Um ano depois da sua criação, Gordy decidiu mudar o nome da editora para Motown (“cidade do motor”), em homenagem à posição de Detroit na indústria automóvel mas também pela semelhança que subjazia a ambos os conceitos: a transformação de simples elementos em produtos brilhantes.

A Motown desempenhou um papel importante na integração racial da música popular e foi a primeira editora discográfica de êxito propriedade de um afro-americano, com artistas da mesma raça.

Como resultado, nasceu durante os anos 1960 “o som Motown”, o da “jovem América”, um estilo musical alegre e contagiante, eminentemente “soul” com influências da “pop”, cujos principais arquitectos foram o próprio Gordy, Smokey Robinson, Norman Whitfield e Barrett Strong, embora a editora se tenha aberto depois a outros géneros, como o “rhythm and blues” ou o “hip-hop”.

A chave do sucesso era o chamado princípio KISS (“Keep It Simple, Stupid” – “Mantém as coisas simples, estúpido”).

disse Gordy recentemente à revista especializada Billboard.

A Motown Records abandonou a sede de Detroit em 1972 para se instalar em Los Angeles, no Estado da Califórnia, onde permaneceu como editora independente até 28 de Junho de 1988, quando Gordy vendeu a empresa à MCA e Boston Ventures, que assumiu o controlo total em 1991.

Nessa época de declínio, o 25º aniversário da editora teve um “balão de oxigénio”, graças ao especial de televisão protagonizado por Michael Jackson e à sua memorável interpretação de “Billie Jean”, na qual apresentou ao mundo os seus originais passos de dança, a que chamou “Moonwalk”.

Actualmente, a Motown, que chegou a criar 45 filiais de diversos géneros musicais, continua viva em Nova Iorque como subsidiária do grupo Universal Music e celebra o seu 50º aniversário com novos lançamentos.

Já em Dezembro, lançou “Motown: The Complete N. 1s”, uma colecção de 10 discos cuja capa homenageia a sede original da etiqueta musical em Detroit, ao passo que Gordy e Suzanne DePasse, ex-membro da editora e vencedora do Emmy como produtora daquele especial televisivo, preparam um documentário sobre a editora que será emitido em Setembro.

explicou Gordy.

Além disso, está ainda a ser preparado um musical na Broadway que tem estreia prevista para 2010.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!