Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Morte de dois universitários “aquece” protestos na Venezuela

A morte a tiros de dois estudantes universitários na Venezuela levou a uma troca de acusações entre o governo e a oposição, esta terça-feira (11), sobre a causa da violência, aumentando a temperatura depois de um mês de protestos.

As manifestações no país petroleiro resultaram na morte de pelo menos 22 pessoas, mas não parecem ameaçar o governo do presidente socialista Nicolás Maduro, que assumiu há 11 meses.

“Hoje foram assassinados dois companheiros”, escreveu o líder estudantil de oposição Juan Requesens em sua conta no Twitter na madrugada desta terça. “As suas mortes não ficarão impunes. Agora mais do que nunca seguiremos na RUA!”.

O universitário Daniel Tinoco morreu depois de ser atingido por um disparo no peito durante um enfrentamento a tiros em San Cristóbal, uma cidade no oeste da Venezuela duramente afetada por protestos.

A outra morte aconteceu em Ciudad Guayana, no sudeste do país, onde foi assassinado na noite da segunda-feira Angelo Vargas, também identificado como estudante universitário. O governo rapidamente colocou a culpa pelas mortes nos grupos de oposição e pediu “justiça para os caídos”.

“O que querem são mortos… Esse é o motivo no fundo: mortos para provocar a intervenção na Venezuela”, disse o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, o segundo homem em importância no partido governista.

A oposição convocou uma marcha nacional para quarta-feira, quando se completa um mês dos violentos confrontos em Caracas que acirraram os protestos contra o governo. Os críticos responsabilizam o governo de Maduro pela alta inflação, a escassez de produtos básicos e o aumento da criminalidade.

A sua meta, dizem, é convocar um referendo para revogar o mandato do presidente, algo que a Constituição só permite em 2016. Mas o governo os acusa de querer semear o caos para tentar derrubá-lo, seguindo o manual de um breve golpe de Estado contra o falecido presidente Hugo Chávez em 2002.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!