Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Morreu Pancho Guedes, o arquitecto que queria transformar o Lourenço Marques de caniço em cimento (1925 – 2015)

Morreu Pancho Guedes

Morreu neste sábado(07) na África do Sul, aos 90 anos, um humanista, observador, pintor e escultor de edifícios que se preocupou com o Lourenço Marques de caniço e vivia a pensar e a desenhar um projecto para cidade de caniço transformar-se em cimento. De seu nome Amâncio d’Alpoim Miranda Guedes, ou simplesmente Pancho Guedes, nascido a 13 de Maio de 1925, foi o arquitecto de centenas de edifícios em Moçambique.

Nas vésperas das comemorações dos 128 anos da cidade de Maputo, no próximo dia 10 de Novembro, parou a mão enfeitiçada do arquitecto que se preocupou com as assimetrias que existiam na época colonial entre a zona de caniço e a de cimento da então cidade de Lourenço Marques o que o levou a publicar um artigo no qual denunciava a falta de condições básicas de higiene e habitabilidade na periferia o que lhe valeu diversas críticas.

“Ele preocupava-se com a cidade de caniço e queria torná-la de cimento”, revelou em 2010 Malangatana Valente Ngwenha, já falecido, numa mesa redonda com o tema “Pancho Guedes e Maputo: arquitectura e mundivivências pessoais” realizada na capital moçambicana.

Pancho Guedes tinha a ideia de criar uma cidade unificada, mas por falta de recursos não chegou a concretizar todos os seus projectos. Ainda de acordo com Malangatana, Pancho Guedes era um homem apaixonado pelos objectos de escultura ligados à cultura africana, ou seja, integrava-se seriamente na cultura e o reflexo disso via-se nas suas obras.

O pintor mor de Moçambique falou na altura da convivência, mas também não poupou elogios àquele que considera o seu mestre. “Pancho Guedes apresentou- me a Eduardo Chivambo Mondlane a quem pedi que me levasse para os Estados Unidos e ele recusou-se. Guedes ficou muito contente e hoje percebo o porquê de tanta alegria, afinal, ele e Mondlane não queriam que eu sofresse influências externas”.

No mesmo evento o escritor Luís Bernardo Honwana contou que quando Pancho Guedes se fazia presente nas manifestações culturais na zona suburbana procurava uma identificação e estabelecia com os residentes uma relação de igualdade numa época em que a convivência era condicionada pela cor da pele.

“O arquitecto Miranda Guedes vivia a pensar e a desenhar um projecto para cidade de caniço”, comentou Honwana e também afirmou que Guedes e Mondlane apoiaram a formação académica de muitos moçambicanos, os quais hoje estão à frente do destino deste país.

Pancho deixou um enorme legado não somente em Moçambique mas também em Angola, África de Sul e Portugal. “O seu trabalho é de uma enorme dimensão e está espalhado por toda a cidade de Maputo”, disse na ocasião o director da Faculdade de Arquitectura, o arquitecto Luís Lage.

Dentre os templos que desenhou destacam-se a Igreja da Sagrada Família na Machava, Metodista Wesleyana, o Centro Anglicano e Igreja S. Cipriano em Chamamculo e também a catedral de palhota e uma escola clandestina de enfermagem construída com paus e palha. Pode-se também ver a sua criatividade no edifício onde funcionava antigo banco Standard Totta na baixa da cidade de Maputo ou mesmo em construções habitacionais como o Condomínio residencial redondo, na rua Mártires da Mueda, ou no Prédio Spence e Lemos, na praça dos Trabalhadores, ou ainda na residência Velosa, na avenida Kenneth Kaunda.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!