Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambique consolida operações de coração aberto

O Ministro da Saúde de Moçambique, Alexandre Manguel, afirmou, Terça-feira, em Maputo, que o país está a avançar significativamente no domínio de intervenções cirúrgicas de cardiologia.

Alexandre Manguel disse na habitual conferência de imprensa posterior às sessões semanais (terças-feiras) do Conselho de Ministros (CM) que o país completou, este mês, 100 operações de coração aberto.

Segundo O Autarca, a centésima cirurgia de peito aberto foi feita no Hospital Central de Maputo por cirurgiões exclusivamente moçambicanos, a um paciente de sexo feminino de 35 anos de idade. Esse marco revela que o país está a consolidar a par e passo a sua capacidade técnica e tecnológica nesse campo bastante complexo da medicina.

“São operações muito exigentes e de elevado custo” – enfatizou Alexandre Manguel, anotando que cada operação do género, o seu custo a nível internacional é equivalente a 15 mil dólares norte americanos.

No nosso país as operações estão a ser feitas a custo zero para o bolso do paciente. Moçambique é dos poucos países da região da África Austral que realizam esse tipo de intervenções cirúrgicas.

Uma fonte do Ministério da Saúde, abordada pelo jornal O Autarca, na tarde da Terça-feira, disse, seguramente, que muitos países da região não tem ainda essa capacidade de realizar operações de coração aberto, arriscando-se a enumerar países como o Malawi, Swazilândia, Lesotho e mesmo o Botswana.

A cirurgia de coração aberto em Moçambique teve início em 2008 e é realizada por uma equipa médica moçambicana composta por 17 profissionais, apoiados por médicos espanhóis e nela é submetida um doente por semana, numa operação que dura até cerca de sete horas.

Informações disponíveis indicam que o desejo das autoridades moçambicanas da saúde é atingir três operações por semana, mas tal não é ainda possível devido a falta de recursos.

Segundo as mesmas informações, a perspectiva é consolidar a experiência a nível da cidade do Maputo e ir criando condições para um dia se expandir para outras unidades hospitalares do país, com prioridade para o Hospital Central da Beira, província de Sofala, no centro do país.

Sabe-se, entretanto, que para a realização da cirurgia de coração aberto, o Hospital Central do Maputo está dotado de equipamento dos mais modernos e bastante oneroso, que inclui equipamento para sala de reanimação, equipamento para anestesia do paciente na sala operatória e outro para a operação que é a máquina de circulação extracorpórea.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!