Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambique considera “positiva” (actual) a liderança angolana da CPLP

O Governo moçambicano considera “positiva” a liderança angolana da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), descrevendo como “digno de menção” o esforço de pacificação da Guiné-Bissau e a dinâmica que trouxe para os vários assuntos sectoriais.

“Para nós, está a ser uma presidência positiva. A liderança de Angola nos esforços de pacificação da Guiné-Bissau (nomeadamente a busca de recursos para a realização da conferência de doadores) tem sido digna de menção”, disse a directora da Direcção para Organizações Internacionais e Conferências (DOIC), Albertina MacDonald.

“A presidência angolana tem estado a acompanhar isso, aliás, está em curso a negociação com a União Europeia e acreditamos que se vai conseguir resolver os assuntos que estão neste momento em carteira com os doadores”, disse.

Num balanço sobre a presidência de José Eduardo dos Santos na CPLP, Albertina MacDonald destacou “a dinâmica que (Angola) está a trazer para os vários assuntos sectoriais”.

“No cômputo geral, num ano, conseguimos revisitar alguns dos aspectos de cooperação que fazemos a nível sectorial. Acho que é um aspecto positivo”, exemplificou.

Guiné Equatorial

A capital angolana acolherá na sexta-feira o Conselho de Ministros da CPLP, subordinado ao tema “O papel da CPLP na Organização das Nações Unidas, as relações económicas entre os Estados-membros, a língua portuguesa nas organizações internacionais”.

Durante a reunião, o Governo moçambicano espera “reforçar a cooperação político- diplomática, aspectos de cooperação entre a CPLP, aprofundamento da estratégia da segurança alimentar e meio ambiente”, disse Albertina MacDonald.

O encontro de Luanda analisará a proposta de adesão da Guiné Equatorial à organização lusófona, mas, para já, “o entendimento é que nenhum país da CPLP obstaculize a entrada da Guiné Equatorial para a organização”, garantiu Albertina MacDonald.

“Isso está claro. Mas esta alteração do seu estatuto para membro de pleno direito da organização passa por um roteiro que tem de ser cumprido, é o que está a fazer-se neste momento”, referiu.

Outros interessados

A Guiné Equatorial, o Senegal e as Ilhas Maurícias são membros associados da CPLP desde 2006, enquanto a Suazilândia e Ucrânia solicitaram a adesão à comunidade como observadores. Albertina MacDonald descreveu a “apetência muito grande de países a juntarem- se a CPLP” por a organização “mostrar resultados”.

“A gente só tem apetência para se juntar aonde as coisas acontecem de forma credível, o que significa que a CPLP é uma organização que mostra resultados e é credível”, disse, acrescentando que acredita que, no próximo ano, em vésperas da cimeira (da CPLP) do Maputo haja mais pedidos de adesão.

Num balanço dos 15 anos da organização, que se assinalaram no domingo, a responsável destacou que “a cooperação a nível de capacitação institucional e sectorial tem crescido”, pelo que futuramente se pretende “uma organização consolidada em termos de cooperação, que é esta tendência”.

“A cooperação intra- CPLP tem sido, neste momento, um dos aspectos que tem chamado os Estados- membros a reforçar os laços”, disse a directora da DOIC do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!