Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Ministra do Trabalho defende que a adequação da legislação é uma necessidade permanente

A Ministra do Trabalho, Maria Helena Taipo, considera uma necessidade permanente a adequação da legislação às novas realidades que vão surgindo no país, referindo-se especificamente ao facto de Moçambique estar a ser palco de uma dinâmica empresarial bastante intensa que traz consigo alterações rápidas e constantes nas relações laborais.

A governante proferiu essa abordagem no seu discurso de abertura do seminário sobre “Direito do Trabalho e Segurança Social”, realizado, semana passada, em Maputo, e que reuniu dignos membros da comunidade académica de Moçambique e de Macau.

Segundo ela, associa-se a essa preocupação o facto de a nível internacional assistir-se a um ambiente abalado pela crise económica e financeira que tem ameaçado a estabilidade do emprego.

“Este seminário é igualmente uma grande oportunidade para termos a percepção de como a comunidade académica analisa a situação do direito do trabalho em Moçambique, e que contributo esta pode dar para que as políticas, medidas e normas adoptadas pelo Governo e pelo poder legislativo possam assegurar os direitos fundamentais dos cidadãos, aspecto primordial para a consolidação de um Estado de Direito e um ingrediente indispensável para a garantia da paz social” – referiu Maria Helena Taipo.

Taipo recordou que o país desencadeou um processo de reforma legislativa tendo como desiderato a produção de normas jurídico-laborais que concorram para a atracção de investimento e que, simultaneamente, promovam o trabalho digno e o combate à pobreza e à indigência.

Ela enumerou alguns resultados logrados no domínio da acção normativa nos últimos tempos, nomeadamente a revisão da lei do trabalho, que visava a flexibilização das relações de trabalho como forma de atrair mais investimento e aumentar a oferta de emprego; o reforço do diálogo social através da Comissão Consultiva de Trabalho e sua expansão para as províncias; a aprovação da nova Lei de Protecção Social, marcada pelo alargamento do âmbito pessoal de aplicação do sistema, permitindo a inclusão de mais categorias de trabalhadores, para além, do alargamento do âmbito material, através da inclusão de mais benefícios do sistema; entre outros.

Por último, desafiou os seminaristas, académicos moçambicanos e de Macau, a reflectirem sobre “numa situação de desemprego estrutural, onde há uma forte pressão da procura sobre o mercado de trabalho e, na ausência de poupança interna significativa, a inversão do fenómeno passa pelo recurso ao investimento externo. Como assegurar que a dependência jurídica e económica do trabalhador não ponha em risco o trabalho digno?

Ou ainda, pode uma economia com baixos níveis de produtividade que se reflecte em fracos rendimentos do trabalho, construir uma segurança social adequada aos seus cidadãos?”

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!