Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Milhares de alunos são instruídos ao relento em Nampula

Na cidade de Nampula, mais de 200 turmas do ensino primário do 1º grau, compostas por 18 mil crianças da 1ª a 3ª classe, recebem as suas lições ao ao ar livre devido à falta de salas de aula. Se nas escolas da urbe os petizes estudam sentados no chão e em condições inadequadas, o que será dos meninos que se encontram nas zonas recônditas da mesma província e do resto do território moçambicano?

Nos estabelecimentos de ensino de M’puecha, Teacane, Namutequeliua, 25 de Junho, Mutauanha, Murapaniua, Terrene, Barragem, Muthita, Namicopo e Serra da Mesa a situação é considerada crítica, uma vez que os futuros quadros deste país são estudam debaixo dos cajueiros e expostos a intempéries.

A representante de Estado no município de Nampula, Felicidade Costa, afirmou que por causa desse problema, no período chuvoso, as 18 mil crianças de diversas instituições perdem a oportunidade de estudar e no Inverno o processo de aprendizagem é condicionado porque os instruendos chegam tarde à escola.

A insuficiência de salas de aulas e a falta de dinheiro são apontadas como sendo os grandes constrangimentos que o sector da Educação enfrenta na província mais populosa de Moçambique, facto que interfere constantemente no aproveitamento pedagógico dos alunos e na melhoria da qualidade de ensino.

Alberto Agostinho, director da Escola Primária de Namicopo, na cidade de Nampula, disse-nos que na sua instituição há pelo menos 23 turmas da 2ª, 3ª e 4ª classes, compostas por 40 a 45 alunos, a serem formadas debaixo das árvores.

Não se sabe quando é que o problema será ultrapassado porque não existem fundos para se erguer novas salas de aulas. O orçamento alocado pelo Governo não contempla a construção de infra-estruturas físicas.

Enquanto não houver soluções para essa situação, milhares de crianças continuarão a estudar sem abrigo e em condições indignas porque “não podemos deixar alunos fora da escola”. Os pais e encarregados de educação negam-se a contribuir com valores monetários na construção de mais compartimentos destinados às actividades de ensino supostamente porque, no passado, a anterior direcção de Namicopo colectou montantes com o mesmo propósito mas nenhum bloco foi comprado.

Agostinho afirmou que, devido a essas anomalias, no primeiro trimestre deste ano o aproveitamento pedagógico foi de 50% em quase todas as turmas, incluindo as que são leccionadas em sítios cobertos.

Bruge Ruphia, director dos Serviços da Educação, Juventude e Tecnologia em Nampula, reconhece as dificuldades com que se debatem as escolas de M’puecha, Teacane, Namutequeliua, 25 de Junho, Mutauanha, Murapaniua, Terrene, Barragem, Muthita, Namicopo e de Serra da Mesa, porém, ainda não há alternativas para contorná-las por falta de fundos.

Neste ano lectivo, a cidade de Nampula inscreveu 181.706 alunos em todos os subsistemas de ensino e o governo local planificou edificar quatro escolas secundárias novas em diferentes distritos.

O nosso entrevistado explicou que na Escola Primária Completa de Mapara serão erguidas 20 salas de aula, cinco na Escola Primária de Mutotope e igual número na Escola Primária 22 de Agosto. Refira-se que a cidade de Nampula conta, actualmente, com 12 escolas secundárias, 57 primárias e quatro institutos de formação profissional, números considerados insatisfatórios para responder às necessidades de toda a província.

Há mais crianças ao relento em Nampula

No distrito de Murrupula, existe outro grupo de 1.500 alunos que é formado debaixo das árvores. Ao todo são 30 turmas, de acordo com o director dos Serviços Distritais da Educação, Juventude e Tecnologias daquele ponto da província de Nampula, Alfredo Salimo. Enquanto isso, 300 salas de aula foram construídas com base em material precário, principalmente pau-a-pique.

Segundo Salimo, em Murrupula, existem 127 compartimentos convencionais destinados às actividades de ensino e aprendizagem, das quais 92 sem carteiras. Outro assunto que preocupa as autoridades é o facto de os professores deixarem os estudantes sem aulas quando se deslocam à universidade na urbe, a 70 quilómetros dos seus postos de trabalho.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!