Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mianmar permite que imprensa volte a acompanhar julgamento de Suu Kyi

Suu Kyi aparece em público com diplomata americano

A junta militar de Mianmar permitirá, a partir de terça-feira, que os jornalistas voltem a acompanhar o julgamento da líder da oposição Aung San Suu Kyi, ao mesmo tempo em que rejeitou as críticas internacionais.

Uma fonte oficial, que pediu anonimato, confirmou nesta segunda-feira que 21 jornalistas – dez da imprensa local e 11 da imprensa internacional – receberão permissão para acompanhar as audiências de terça-feira do julgamento contra Suu Kyi na prisão de Insein, perto de Yangun. Ainda não se sabe se diplomatas internacionais terão acesso ao tribunal, como aconteceu na última quarta-feira, em uma inesperada decisão dos militares.

Suu Kyi, de 63 anos, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz em 1991, apareceu sorridente e com aspecto saudável na audiência de quarta-feira, agradecendo a presença dos diplomatas e dizendo ter esperança de se encontrar com eles novamente “em tempos melhores”. Nesta segunda-feira, o processo da líder política entra em sua segunda semana.

Segundo as autoridades de Yangun, Suu Kyi violou as regras da prisão domiciliar ao receber durante dois dias em sua casa o americano John Yettaw, com a cumplicidade das duas ajudantes que vivem com ela. A comunidade internacional tem criticado duramente o novo julgamento contra Suu Kyi. Neste contexto, a União Européia exigiu nesta segunda-feira a “libertação imediata” da opositora birmanesa.

Numa reunião com o ministro birmanês das Relações Exteriores, Nyan Win, a Comissão Européia e a Suécia, próximo presidente de turno da UE, pediram à junta “a libertação imediata de Aung San Suu Kyi” e a “retomada do diálogo político” em Mianmar, afirmou nesta segunda-feira em Hanói o ministro tcheco das Relações Exteriores, Jan Kohut, cujo país preside atualmente a UE.

Os militares birmaneses, por sua vez, expressaram nesta segunda-feira sua indignação com as críticas feitas por seus vizinhos do sudeste asiático sobre o julgamento de Suu Kyi, às quais se referiram como “uma ingerência em seus assuntos internos”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!