Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mia Couto e o discurso da mestiçagem

Reunindo o que o cronista, provocador, analista político, crítico social e biólogo chama de “interinvenções”, E se Obama Fosse Africano?,  Mia Couto lançou a sua mais recente obra literária, no Brasil.

No artigo O Futuro por Metade, o escritor moçambicano Mia Couto, 56 anos, conta uma história – de quando ainda era jornalista, às vésperas da independência do país de Portugal, em 1975 – em que o general Sebastião Mabote comemorava o Dia da Mulher Moçambicana pedindo a uma plateia de estivadores toscos, que até então saudava o general aos urros, que repetisse com ele em alto e bom som: “Somos todos mulheres!”. Constrangidos, os estivadores ecoavam o grito de ordem do general num fiapo de voz. Fiasco.

O episódio é descrito por Couto para ilustrar uma quase obsessão: a inevitabilidade do multiculturalismo, da empatia e da tolerância como a única forma realista e possível de construção de identidade. Pessoal e nacional, especialmente em países feitos de tantas diferenças, como Moçambique. Ou o Brasil.

O Futuro por Metade foi escrito em 2007 em Maputo e faz parte de uma coleção de ensaios e palestras – que Couto chama de “interinvenções” – reunidos no livro E se Obama Fosse Africano?, lançado este mês no Brasil pela Companhia das Letras.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!