Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Meu filho mais velho nasceu seropositivo e agora estou grávida de novo

Margarida M nasceu na província de Gaza, sul de Moçambique, há 26 anos. É casada há nove anos e vive na cidade de Maputo, a capital, com marido e filho de nove anos. Neste momento encontra-se grávida de cinco meses.

“Eu e meu marido não planeamos esta gravidez, na verdade nem queríamos, mas aconteceu. Sou seropositiva. Descobri o meu estado há sete anos”, diz. Tudo começou com o nascimento do primeiro filho do casal. Quando nasceu, segundo a Sra. M, era uma criança saudável, bonita.

Mas aos seis meses começou a ficar doente e chegou a baixar com ele no hospital várias vezes, até perder a conta. Os médicos nunca diziam o que ele tinha. “Uma vez o meu pai adoeceu gravemente e foi transferido para o Hospital Central de Maputo. Os médicos descobriram que ele era seropositivo. Vendo o sofrimento do meu pai e do meu filho, que era uma criança fraca, pedi que fizessem o mesmo teste ao miúdo.

Aí descobri que o meu filho também é seropositivo”, confessa. Foi muito difícil para ela na altura, confessa ainda. “Mas, pouco depois o meu filho começou a tomar os antiretrovirais e hoje, graças a Deus, está saudável, nunca mais ficou de baixa. Infelizmente, o meu pai acabou falecendo”, diz.

Depois os médicos recomendaram que ela e o marido também fizessem o teste. Ela diz que estava aparentemente saudável, pois não apresentava nenhum sintoma. Deu positivo. O marido também fez o teste e obteve o mesmo resultado. Só que ele não acreditava, dizia que lhe estavam a enganar.

Quando os sintomas da doença começaram a aparecer, ele resolveu aceitar o seu estado. “Hoje o meu marido está bem e até me agradece por ter insistido que aceitasse a situação”, desabafa. Ela diz não saber como foi infectada. Ela e o marido nunca tinham usado preservativo antes. “Hoje estamos a fazer o tratamento. Meu marido trabalha, eu estudo, mas não queremos que os vizinhos saibam que somos seropositivos, porque tememos a discriminação.

Contamos aos meus irmãos e a uma irmã do meu marido, porque quando eu precisar de algo eles me irão ajudar”, diz. Por ter visto o sofrimento do primeiro filho, ela não desejava voltar a engravidar, mas agora só lhe resta fazer prevenção de transmissão vertical (PTV) para que o filho não seja seropositivo.

“Agora a minha esperança é que o meu filho mais velho quando crescer seja médico, porque sofreu Muito”, confessa.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!