Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mentiras da vítima levam acusação a desistir das queixas contra Strauss-Kahn

A Procuradoria de Nova Iorque decidiu retirar as queixas contra o político francês Dominique Strauss-Kahn, acusado de violação por uma funcionária do hotel Sofitel. As provas recolhidas “correspondem a uma relação sexual não consentida”, indica o gabinete do procurador Cyrus Vance, mas as mentiras “devastadoras” de Nafissatou Diallou, a queixosa, tornam impossível prosseguir com o caso.

Assim, a acusação apresentou uma “recomendação para a exoneração” ao Supremo Tribunal de Nova Iorque, depois de considerar que as queixas contra o ex-director do FMI não podem ser provadas “para além da dúvida razoável”, conforme exige a legislação americana.

O ex-director do Fundo Monetário Internacional vai a tribunal, mas a audiência deverá ser uma mera formalidade para confirmar o fim do processo criminal.

Os advogados de Nafissatou Diallo tentaram a todo o custo evitar este desfecho: horas antes do Supremo receber a informação da Procuradoria, apresentaram uma providência cautelar para tentar suspender a decisão, e entregaram uma moção que solicitava o afastamento da equipa da acusação e a nomeação de um procurador especial para retomar o processo criminal contra Strauss-Kahn.

O pedido — muito invulgar — exige a “desqualificação” da investigação judicial da Procuradoria de Nova Iorque por alegado “abuso de confiança, tratamento diferenciado, intolerância e preconceito” contra a vítima Nafissatou Diallo, uma emigrante da Guiné Conacri de 33 anos que obteve exílio nos Estados Unidos.

“Exigimos a nomeação de um procurador especial porque o procurador-geral Cyrus Vance se prepara para danificar irreparavelmente o direito da senhora Diallo a um julgamento justo”, justificou o advogado Kenneth Thompson.

As razões invocadas pelos procuradores deverão ser tornadas públicas hoje, mas em causa está a credibilidade da vítima — que é simultaneamente a única testemunha do ataque — e que foi apanhada numa comprometedora rede de mentiras. Depois de garantir a rápida detenção de Dominique Strauss-Khan, a bordo de um avião prestes a descolar para França, poucas horas após Nafissatou Diallo se ter queixado à polícia por violação, o Ministério Público começou a manifestar reservas quanto às alegações da funcionária de limpeza.

A desvalorizar o seu testemunho estavam uma sucessão de mentiras às autoridades, nomeadamente no seu pedido de asilo político, nas declarações de rendimentos entregues ao fisco e nos seus relatos contraditórios dos factos ocorridos no quarto do hotel Sofitel a 14 de Maio.

Os factos foram suficientes para o juiz determinar a alteração das medidas de coacção impostas a Strauss-Kahn, que inicialmente ficou detido em prisão preventiva, mas foi depois autorizado a aguardar o julgamento em liberdade, mediante termo de identidade e residência.

A Procuradoria acumulou entretanto outros indícios desfavoráveis à vítima, que terá mentido aos investigadores sobre movimentações de avultadas quantias nas suas contas bancárias ou sobre o conteúdo de uma conversa telefónica com um indivíduo preso no Arizona que, segundo a tradução do dialecto fulani, mencionava extorsão a Strauss-Kahn.

Sexo na véspera

Os advogados da queixosa mantém que as provas físicas contra Strauss-Khan são suficientes para desvalorizar as eventuais “brechas” na credibilidade de Nafissatou Diallo. “Isto não é um caso da palavra de um contra a palavra de outro”, sublinhou Kenneth Thompson.

“Na audiência [judicial] de 16 de Maio o próprio Ministério Público considerou que as provas contra Strauss-Kahn eram substanciais e que o exame médico confirmava a ocorrência de um ataque sexual”, acrescentou.

Mas mesmo as conclusões da perícia médico-legal poderão ser duvidosas, considerou a Procuradoria, que descobriu que Diallo manteve relações sexuais na noite anterior ao alegado ataque — o que poderia explicar os sinais evidenciados no exame físico.

O afastamento do processo criminal não põe fim aos problemas judiciais de Strauss-Khan, que se declarou inocente. O político socialista, que chegou a liderar as sondagens em França para as presidenciais do próximo ano, enfrenta um processo cível interposto pelos advogados de Diallo, exigindo uma indemnização por danos cujo montante não foi especificado.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!