Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Médicos voltam à greve nesta Segunda-feira

Não há mais volta. Os médicos e outros profissionais de Saúde moçambicanos iniciam, nesta segunda-feira (20), uma greve geral. Em menos de um ano esta é a segunda greve dos profissionais seniores da saúde. Mas desta vez os Homens cuja missão é salvar vidas contam com aliados de peso: os enfermeiros. O anúncio da greve foi feito através de um vídeo publicado no You Tube.

{youtube}odmkZtLgDQE{/youtube}

Jorge Arroz, Presidente da Associação Médica de Moçambique (AMM) informa, numa mensagem de cerca de três minutos e nove segundos, que o caderno reivindicativo foi literalmente ignorado pelo Governo e que, por essa razão, não há mais volta a dar.

“Infelizmente os profissionais de saude foram obrigados a recorrer a este último recurso, previsto na Constituição da República de Moçambique, como forma de fazer valer os seus direitos”, refere Arroz na parte inicial do vídeo.

Não faltou, também, uma evocação aos inúmeros sacrifícios feitos pelo pessoal de saúde em lugares inóspitos do país e em períodos de guerra civil. “Durante vários anos, quer no período pré-independência, quer no pós-independência bem como durante a guerra civil, fomos os únicos profissionais que estivemos expostos à riscos e nos locais mais recônditos deste nosso belo e amado país”, reinvindicam.

“A comissão dos profissionais de saúde, uma comissão criada para expor os problemas legítimos dos profissionais de saúde, foi a 16 de Maio corrente foi humilhada, insultada e desprezada por uma comissão nomeada pelos dirigentes deste país”, afirmam.

A justificativa, segundo a qual, o caderno reivindicativo é uma coisa nova foi a gota que transbordou o copo. Refira-se que a primeira greve, em Fevereiro, foi interrompida depois que o Governo prometeu resolver o problema dos médicos.

Nessa altura ficou acordado que o Estatuto dos Médicos, emperrado na Assembleia da República, seria objecto de discussão com os profissionais de saúde. As ameaças de que os médicos eram vítimas, pelo facto de terem respondido ao chamamento da AMM, deixariam de constituir o modis operandi de altas patentes do MISAU com recurso aos agentes da PRM.

Sem possibildade de diálogo, a mensagem de Jorge Arroz revela que não há volta. “Sendo assim, a AMM, dando prossecução às deliberações dos médicos emanada da Assembleia-geral extraordinária de 8 de Maio, aliados a comissão dos Profissionais de Saúde, em representação dos outros profissionais de saúde, vem através desta informar que, não tendo sido apresentada acções nem intenções conciliatórias francas e concretas por parte do Governo durante o período de pré-aviso, amanhã, dia 20 de Maio de 2013, inicia a Greve Geral dos profissionais de saúde em todo o território nacional”.

O discurso de três minutos e nove segundos termina com um pedido de desculpas: “Aos moçambicanos e vários segmentos da sociedade civil, nós profissionais de saúde dizemos: desculpas, mas sem que cuidem de nós é impossível exercer a tarefa de salvar vidas.”

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!