Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

MDM sente-se excluído da gestão do Parlamento

A bancada parlamentar do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), com oito assentos no Parlamento, dos 250 existentes, diz sentir-se excluído do processo de gestão daquele órgão.

A bancada do MDM, que recentemente recusou ser chamada de “bancadinha” pelos seus colegas deputados, apresentou a sua reclamação ontem, quinta-feira (25), durante o processo de aprovação das contas referentes ao exercício económico de 2012 da Assembleia da República.

Na altura, o deputado Geraldo de Carvalho disse que AR requer um ambiente interno que permita a todas as bancadas parlamentares participar no controlo da gestão administrativa.

Entretanto, a presidente da AR, Verónica Macamo, tentou tranquilizar os deputados ora lesados afirmando que já foi tomada a nota sobre assunto e que no devido momento seria discutido.

Refira-se que o MDM não tem representação na Comissão de Trabalho que faz a gestão administrativa da AR.

Aprovada a conta gerência referente a 2012

Ainda ontem, com votos apenas da bancada parlamentar da Frelimo, o Parlamento aprovou na sessão desta quinta-feira, as contas referentes ao ano de 2012 da AR. As duas bancadas da oposição, Renamo e MDM, optaram pela abstenção.

A Renamo para justificar o seu posicionamento, apresentou um conjunto de aspectos que entende ser necessário seu melhoramento para o bom funcionamento da AR. Assim, a bancada da Renamo afirma que a “falta uma data fixa para o recebimento de salários, extintor para casos de incêndio deflagrar a qualquer momento, higiene nas casas de banho, de medicamentos para os nossos filhos que são obrigados a tomar paracetamol, enquanto o médico receitou outros medicamentos”.

O MDM, na voz do seu deputado José de Sousa, disse que “votamos pela abstenção porque nos sentimos excluído do processo”.

Por sua vez, a Frelimo diz que houve melhorias muito significativas no desempenho económico de 2012, por isso votou pela aprovação do documento. Esta força política acresventa que as situações irregulares que se registaram serão ultrapassadas pois fazem parte do processo de desenvolvimento.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!