Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

MDM exige incentivos para agro-indústria

A bancada parlamentar do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), deplora a falta de incentivos para a promoção do crescimento das pequenas e médias empresas agro-industriais no país.

De acordo com o chefe da bancada do MDM, a mais pequena formação politica da oposição com assento na Assembleia da República (AR), Lutero Simango, acresce ainda o facto de a política de a comercialização dos produtos nacionais, através da campanha “Made in Mozambique”, não estimular a produção local em grande escala.

Por isso, disse Simango, Moçambique sujeita-se a consumir produtos alimentares “importados e de má qualidade”. “Os moçambicanos são até obrigados a comer o arroz da terceira, mesmo tendo vales como o do Zambeze e Limpopo com uma capacidade de produzir arroz da primeira qualidade, para o consumo interno e exportação”, disse Lutero Simango.

Segundo a fonte, uma boa alimentação para um povo como o moçambicano é a forma mais eficaz de combater doenças e até mesmo o elevado custo de vida.

Simango vincou que o custo insuportável de vida no seio dos moçambicanos continuará a ser associado a políticas erradas que vêm sendo adoptadas pelo executivo no sector agrícola.

“Se o nosso país não potenciar os seus recursos naturais jamais conseguirá contornar a actual conjuntura internacional”, sublinhou o deputado Lutero Simango.

A fonte traçou um quadro semelhante quanto a problemática da habitação, afirmando que é um problema que também carece de uma solução adequada.

Ele indicou que os jovens continuam a não beneficiar das facilidades necessárias e da atracção dos bancos comerciais para obter a sua primeira casa. “As promessas ainda não moveram o moinho”, afirmou o chefe da bancada parlamentar do MDM.

Simango disse, por outro lado, esperar que 2011 seja um ano em que os gestores da coisa pública terão consciência de que passos decisivos devem ser dados para corrigir a situação “dúbia” na concessão da exploração dos recursos naturais e minerais que Moçambique dispõe e encontrar uma plataforma para que os mega projectos em curso participem significativamente no fortalecimento das receitas públicas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!