Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Toma que te dou: “Margarida Talapa não sabe o que diz” *

Lourenço do Rosário*

– Com que impressão ficou do senhor Afonso Dhlakama quando se encontrou com ele em Gorongosa?

– Fiquei com a impressão de que o senhor Dhlakama está lúcido e esclarecido sobre o que pretende nas suas reivindicações.

– Valeu a pena o vosso encontro?

– Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.

– Acredita que estas negociações irão ser bem-sucedidas, a avaliar pelo extremar das posições em algumas declarações das duas partes?

– Quando eu fundei o Instituto Superior Politécnico e Universitário (ISPU), hoje A Politécnica, sabia que estava metido num desafio espinhoso, numa espécie de odisseia. Cheguei a comparar-me à nave espacial Columbia que, uma vez na atmosfera, na perigosa manobra de aterragem, já não pode voltar atrás. E se eu não acreditasse que as partes se irão entender não teria ido a Gorongosa.

– O que é que lhe faz ter tanta fé?

– Sou uma pessoa que se guia por princípios, e um desses princípios que me conduzem é a fé. Acredito nas pessoas até o dia em que elas me desmentirem.

– Com quem tem sido mais difícil conversar, entre o Presidente Guebuza e o presidente da Renamo Afonso Dhlakama, na mediação que tem feito com D. Dinis Sengulane?

– Isso é o mesmo que perguntar quem é o melhor entre Ronaldinho Gaúcho e Georg Weah, quando cada um destes estava nos seus tempos áureos.

– Já agora, quem era melhor jogador, entre estes dois, nos seus tempos de pico?

– Cada um era melhor que o outro.

– O que é que quer dizer exactamente com essa comparação?

– Eu sou intelectual e, nessa condição, exige-se de mim a honestidade. Os dois são uma “pedra dura”.

– Mas água mole em pedra dura tanto bate até que fura!

– Então uma das gotas dessa água sou eu!

– O senhor é religioso?

– Porquê?

– Queria fazer-lhe uma pergunta nesse âmbito! – Faça as perguntas que quiser, vou responder às que estiverem ao meu alcance.

– No tempo de Pontius Pilatus, depois de este ter lavado as mãos por não ter visto no Filho do Homem qualquer pecado, Jesus Cristo foi crucificado com mais duas pessoas, e uma delas era o Barrabas, um bandido tresloucado conhecido em todo o Israel. Alguém virou-se para a multidão que achincalhava Jesus e perguntou: “Destes dois – referindo-se a Jesus e a Barrabas – tirar a quem da cruz?”. E a multidão “metralhou”: “Tirem o Barrabas! Tirem o Barrabas!”. Agora, senhor Lourenço do Rosário, se estivessem na cruz, prestes a ser executados, o Presidente Guebuza e o presidente da Renamo, Afonso Dhlakama, e lhe pedissem para retirar um deles, por quem se decidiria?

– Tirava os dois da cruz e impediria o seu linchamento, porque os dois são filhos do mesmo solo-pátrio. Eles são irmãos, mesmo assim há quem queira apontar o outro como inimigo a abater.

– Acha que o senhor Presidente Guebuza tem capacidade para compreender que a nave já entrou na atmosfera e que não tem condições de voltar atrás?

– O Presidente Guebuza não tem muitas escolhas. O que lhe resta, depois de tudo isto, é abdicar de querer continuar a arrastar Moçambique inteiro para o sangue.

– D. Dinis Sengulane tem a mesma forma de pensar que a sua?

– Convergimos em muitos pontos, é por isso que estamos do mesmo lado da barricada.

– Vão continuar com esta luta guiada pela palavra e pelo diálogo até ao fim?

– Nós não vamos continuar a luta guiada pela palavra e pelo diálogo até ao fim. Nós não vamos até ao fim, o que estamos a fazer é inventar um novo fim.

– A senhora Margarida Talapa, chefe da bancada parlamentar da Frelimo, afirmou uma vez que, com ou sem a Renamo, haveria eleições em Moçambique. O que é que pensa sobre essas declarações?

– Eu também ouvi isso, através da televisão. Uma vez mais, a minha posição de inteletual obriga-me a afirmar que essa senhora não percebe os sinais da História, e quem não percebe os sinais da História é melhor não se pronunciar em público, muito menos numa casa importante que é a Assembleia da República. Margarida Talapa não sabe o que diz.

– Jesus já tinha dito: “Pai, perdoai-lhes pois não sabem o que fazem”. – (Risos)

 

* Entrevista fictícia

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!