Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Malária ainda é problema de saúde pública em Moçambique

A malária, uma doença infecciosa, mortífera e transmitida através da picada do mosquito (fêmea), está longe de ser eliminada em Moçambique. Dos seis milhões e quatrocentos casos registados no ano passado, pelo menos 2.465 resultaram em morte, contra 3.245 óbitos registados em 2014.

Apesar da redução de óbitos, o número de pessoas padecendo desta enfermidade aumento de 5,8 milhões para 6,4 milhões.

Martinho Djedje, inspector nacional no Ministério da Saúde (MISAU), disse, na quarta-feira (01), que a abordagem e o combate ao paludismo deve estar mais focado ao distrito e à província. “O elevado peso da malária constitui grande preocupação para o Governo”, porque “interfere negativamente no desenvolvimento económico e social do país”.

Segundo o dirigente, que falava na abertura da VIII Reunião Anual de Balanço do Programa Nacional de Controlo da Malária, pese embora “existam intervenções eficazes em termos de custos”, a doença continua a ser um dos maiores problemas de saúde pública em Moçambique, causando milhões de casos e milhares de óbitos anualmente.

A malária perpetua a pobreza à medida que contribui para o elevado absentismo nas escolas, nos postos de trabalho e faz com que haja perda da mão-de-obra laboral, para além dos casos de doentes que ficam com sequelas depois de serem contaminadas pela doença, em situações mais graves.

Moçambique tem estado a implementar os métodos de controlo desta enfermidade, desde a distribuição de redes mosquiteiras à pulverização intra-domiciliária. Todavia, a mesma doença prevalece como a principal causa de morte, sobretudo em crianças com menos de cinco anos de idade. As contaminações incidem mais, também, na mesma faixa etária e em mulheres grávidas.

Nas comunidades, apela-se cada vez mais à eliminação dos locais considerados habitas do mosquito, tais como charcos de água estagnadas e as populações devem consentir a pulverização intra-domiciliária. Contudo, tais medidas pouco têm sido levadas a peito pelas mesmas populações. Em Maputo, os distritos municipais de KaTembe, KaMavotha e KaChamanculo são considerados os mais problemáticos em termos de proliferação de mosquitos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!