Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

MAJOL nega acusações de agressão a membros da UNAC em Nampula

A MAJOL Consultorias e Serviços, firma a que está afecto um consultor identificado pelo nome de João Lameiras, acusado pela União Nacional dos Camponeses (UNAC) de proferir palavras ofensivas e tentar agredir fisicamente os seus activistas Jeremias Vunjanhe e Vicente Adriano, em consequência de uma divergência de opiniões quando se debatia o controverso ProSavana, refuta as imputações e diz que os queixosos escamotearam os factos.

Segundo empresa contratada pela JICA para aferir o pensamento e comportamento das organizações da sociedade civil em relação programa promovido pelo Governo moçambicano e seus parceiros, Brasil e Japão, ao contrário do que Jeremias Vunjanhe e Vicente Adriano narraram à UNAC, João Lameiras “intercedeu a favor” das organizações da sociedade civil que, “durante o intervalo”, eram alvos de “palavras ofensivas e agressivas”, nomeadamente “analfabetos, mafiosos e fáceis de serem manipulados”, proferidas pelos dois visados.

Na sua reacção enviada ao @Verdade, a MAJOL alega que Jeremias Vunjanhe ameaçou, na qualidade de um dos facilitadores, que iria recorrer ao facto de ser “jornalista e activista para denegrir a imagem da MAJOL, dos facilitadores e anfitriões do evento”.

“Esta chamada de atenção sobre o comportamento e linguagem utilizadas pelos senhores Vunjanhe e Adriano foi diversas vezes repetida durante os dois dias do encontro pelos moderadores do evento, e pelos membros das plataformas e organizações da sociedade civil presentes no encontro”, indica a firma.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!