Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mais de duas dezenas de nados-mortos atirados ao lixo na Matola

Funcionários do município da Matola atiraram, nesta sexta-feira(18), para uma lixeira à céu aberto na província de Maputo 24 nados-mortos, juntamente com lixo hospitalar. Os cadáveres foram encontrados por cidadãos que apanham lixo na lixeira de Malhampsene, e alertaram as autoridades policiais.

Os nados, segundo as autoridades da Saúde, foram recolhidos por engano no hospital provincial da Matola, que até possui uma incineradora para este tipo de situação, e juntamente com o lixo hospitalar recolhido na sexta-feira(18) foram atirados para a lixeira.

Calisto Cossa, o edil da Matola, prometeu averiguar as circunstâncias, que levaram os nados mortos a serem confundidos com o lixo hospitalar ao ponto de irem parar na lixeira, e responsabilizar os infractores. O Concelho Municipal da Matola é a entidade responsável pela gestão do hospitalar.

Neste sábado a Ministra da Saúde, Nazira Abdula, visitou o hospital provincial da Matola para se inteirar do acontecido e pediu que o Município apresente, até segunda-feira(21), um relatório “de modo a tomarmos as medidas necessárias e corrigirmos o que achamos não estar correcto”.

“Apesar de a gestão estar sob a responsabilidade do município, nós iremos trabalhar em coordenação de maneira a evitar situações do género”, acrescentou a ministra.

Entretanto a administradora da morgue do hospital provincial da Matola, Carolina Macuacua, explicou que todas as sextas-feiras, de cada final do mês, são feitas limpezas dos corpos e são dados os procedimentos devidos.

“O que aconteceu ontem é que um colega meteu as caixas dos nados-mortos na viatura que transportava lixo comum. Normalmente, os funcionários saem aqui com um formulário sobre quantos corpos transportam, mas não houve o cuidado, por parte dos colegas, de leva-lo”, explicou.

Os nados mortos aguardavam destruição após não terem sido reclamados pelos respectivos familiares.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!