Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

M23 rejeita integrar seus combatentes nas Forças Armadas da RDC

A rebelião congolesa do M23 rejeitou, Segunda-feira (9), a ideia de integrar os seus combatentes no seio das Forças Armadas da República Democrática do Congo (FARDC), pedindo ao Governo para garantir antes a protecção das populações civis ruandofonas na província do Kivu Norte (leste) e o repatriamento de todos os refugiados residentes nos países vizinhos.

“O M23 espera do Governo congolês que desarme sem demora todas as forças negativas que operam no leste da RDC, incluindo o movimento rebelde hutu rwandês das Forças Democráticas para a Libertação do Rwanda (FDLR)”, indica um comunicado do M23 a que a PANA teve acesso em Kigali, a capital do Rwanda.

Os rebeldes dizem aderir “totalmente” à ideia de desarmar os seus combatentes, mas sublinha que esta ação deve basear-se numa série de condições.

“O M23 não procura reintegrar os seus combatentes no seio do Exército congolês, mas sim depor as armas e retirar-se na sua fazenda para praticar a agricultura quando o Governo congolês satisfazer a reivindicação legítima do M23”, sublinha o comunicado.

Esta declaração do M23 surge depois do fim de uma digressão pela sub-região da enviada especial da ONU para os Grandes Lagos, Mary Robinson, que exortou os rebeldes do M23 a desarmar-se.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!