Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Luta contra aquecimento e saúde pública devem caminhar lado a lado

A mudança climática terá um impacto sobre a saúde com doenças como a malária, o cólera ou ainda as ondas de calor, mas inúmeros destes problemas podem ser evitados ou minimizados com escolhas adequadas na luta contra o aquecimento.

Uma série de estudos publicados na revista britânica The Lancet em função da aproximação da Cúpula de Copenhague (7 a 18 de Dezembro) antecipa os benefícios para o clima de acções que podem ser adoptadas para reduzir as emissões de gases do efeito estufa. “Os políticos com poder de decisão custaram a reconhecer que o verdadeiro problema da mudança climática está no risco de afectar a saúde humana e a qualidade de vida”, indicou a directora da Organização Mundial da Saúde (OMS) Margaret Chan. “A desnutrição e seus efeitos devastadores sobre a saúde das crianças vai aumentar. As ondas de calor provocarão mais mortes, em particular entre os idosos”, destacou.

“Além disso, a mudança climática pode modificar a distribuição geográfica dos vetores da doença, entre as quais os insectos que transmitem a malária e a dengue”, advertiu. Exemplos citados pela The Lancet:

– TRANSPORTE Preparar as cidades para pedestres e ciclistas pode ter mais impacto para a saúde do que incentivar a fabricação de carros menos poluentes. A reformulação dos transportes nas cidades de Londres e Nova Délhi mostrou que, quanto mais espaços para pedestres e bicicletas, menor o número de doenças cardíacas e de acidentes vasculares cerebrais.

– AGRICULTURA A agricultura e a alimentação representam de 10% a 12% das emissões mundiais de gases causadores do efeito estufa. A redução de 30% da produção e do consumo de carne entre os principais produtores, associada a avanços tecnológicos, pode reduzir sensivelmente as emissões e o número de doenças cardíacas.

– ESCOLHAS ENERGÉTICAS A redução da parte da eletricidade produzida a partir de energias fósseis (gás, carvão e petróleo) teria um duplo benefício, para o clima e para a saúde humana, reduzindo a poluição do ar, Adoptando como hipótese uma trajetória de divisão por dois das emissões mundiais de CO2 até 2050, os estudos analisam o impacto para a saúde em cada país. O efeito mais acentuado seria na Índia, onde, no melhor dos casos, se poderia evitar 93.000 mortes (cancro de pulmão, doenças cardiovasculares e cardiorrespiratórias) em 2030 em relação a um cenário sem esforço específico.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!