Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Liga Portuguesa: Sporting e FC Porto isolam-se na liderança

Sporting e FC Porto lideram isolados a Liga Portuguesa de futebol após vencerem neste domingo e beneficiando-se do empate do Benfica e Rio Ave. Os “leões” mantiveram o registo cem por cento vitorioso mas não ganharam para o susto quando, num dos últimos lances do encontro, o Estoril marcou aquele que seria o 2-2. Valeu à equipa de Jorge Jesus a intervenção do videoárbitro. Naquele que era considerado o primeiro grande teste a equipa de Sérgio Conceição, os “dragões” responderam com nota positiva, alcançando os três pontos na tradicionalmente complicada deslocação ao Municipal de Braga.

A entrada leonina foi arrasadora: marcou logo aos quatro minutos, num cruzamento largo de Acuña a que Bas Dost não chegou, permitindo a Gelson Martins surgir que nem uma flecha no flanco oposto a desviar para a baliza de Moreira (quarto golo do extremo na época); e ampliou o marcador aos 11 minutos, num livre perfeito de Bruno Fernandes a punir uma falta sofrida pelo número 8 leonino.

A vencer tão cedo, e depois de um jogo europeu, o Sporting optou por baixar o ritmo. O Estoril aproveitou para chegar mais à frente, esbarrando nas boas exibições de Coentrão e Mathieu, embora tenha estado muito perto de reduzir na sequência de um canto aos 23 minutos. Após um desvio ao primeiro poste, o central Pedro Monteiro surgiu sem marcação ao segundo poste mas falhou inexplicavelmente a cabeçada .

Para a segunda parte, Pedro Emanuel fez duas substituições e o Estoril foi aproveitando o progressivo relaxamento leonino e o ritmo mais lento para se manter no jogo, isto apesar de raramente ter incomodado a defesa contrária.

O Estoril marcou, num remate espetacular de Lucas Evangelista à entrada da área – primeiro golo sofrido por Rui Patrício na Liga, ao fim de 355 minutos -, e acreditou que o empate ainda era possível.

O jogo partiu-se, o Sporting tremeu. Alvalade ainda celebrou o tal golo de Bas Dost que não valeu, exaltou-se quando Pedro Monteiro acertou no alvo e festejou a intervenção do VAR com o mesmo frenesim… Logo a seguir, Luís Godinho terminava o jogo e os leões puderam finalmente respirar de alívio, ganhando dois pontos ao grande rival lisboeta.

FC Porto vence em Braga com golo de Corona

A entrada dos azuis e brancos na Pedreira foi absolutamente alucinante. Imprimiram um ritmo elevadíssimo, com uma circulação de bola muito dinâmica, na perfeita articulação entre velocidade e qualidade. Velocidade foi precisamente o que Jesús Corona teve para ganhar uma bola dividida a Sequeira, e qualidade é o adjetivo mais adequado para descrever o remate fulminante que bateu Matheus e inaugurou o marcador, logo aos 7 minutos.

O mexicano, que já não marcava em jogos oficiais desde março, até esteve perto de bisar pouco depois e encaminhar o FC Porto para um passeio tranquilo pelo Minho, mas viu Bruno Viana fazer um corte providencial.

Depois de um começo a todo o gás, os portistas foram pagando gradualmente a fatura, perdendo fôlego ao longo da primeira parte.

E para que o segundo tempo não fosse uma continuação do que se viu nos derradeiros minutos do primeiro, Sérgio Conceição puxou pela cabeça e encontrou o antídoto para anular os pontos fortes da equipa orientada pelo amigo Abel Ferreira.

Com um FC Porto intelectual, mais preocupado em anular o adversário e gerir a vantagem longe da sua baliza, os segundos 45 minutos estiveram longe de ter a intensidade e atratividade dos primeiros.

O apito final confirmou a quarta vitória portista nas quatro primeiras jornadas da Liga, algo que não acontecia desde 2013/14 – com Paulo Fonseca -, e o melhor arranque de época de sempre de Casillas: imbatível há 360 minutos.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!