Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Líbia e Egito pedem à ONU suspensão do embargo às armas para combater o Estado Islâmico

Líbia e Egito pediram ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, esta quarta-feira (18), para suspender o embargo de armas à Líbia e ajudar o país a fortalecer o Exército para que possa enfrentar o Estado Islâmico e outros grupos extremistas.

O ministro das Relações Exteriores líbio, Mohamed Dayri, discursou no Conselho depois que o enviado especial da ONU, Bernardino Leon, disse ao grupo que o Estado Islâmico e outros militantes na Líbia só podem ser derrotados com um governo unido que tenha forte apoio internacional.

“A Líbia precisa de uma posição firme da comunidade internacional para nos ajudar a construir um Exército nacional, e isso viria através de uma suspensão do embargo sobre as armas para que o nosso Exército possa receber material e armas, de modo a lidar com esse terrorismo desenfreado”, disse Dayri.

O governo da Líbia pode importar armas e material relacionado com a aprovação de um comité do Conselho de Segurança da ONU que supervisiona o embargo de armas imposto em 2011. A situação na Líbia piorou e se tornou confrontos entre facções, deixando o país quase sem lei quatro anos após a queda de Muammar Khadafi.

Dois governos rivais apoiados por brigadas de milícias disputam o poder. A ONU faz a mediação da crise numa tentativa de levar os dois lados rivais a forjar um governo de unidade e acabar as hostilidades.

O Egito interveio directamente pela primeira vez no conflito na vizinha Líbia na segunda-feira, depois de o Estado Islâmico ter divulgado um vídeo que mostra a decapitação de 21 cristãos egípcios.

O chanceler egípcio, Sameh Shukri, apoiou o apelo da Líbia para a suspensão do embargo. Shukri também defendeu “medidas concretas para evitar a aquisição de armas por todas as milícias e entidades não estatais por meio da imposição de um bloqueio naval sobre as armas em direcção a áreas da Líbia que estão fora do controle das autoridades legítimas”.

A Itália pediu uma acção internacional urgente para evitar que a Líbia descambe ao caos e prometeu que estava pronta para ajudar a monitorar um cessar-fogo e treinar as Forças Armadas locais.

“Na Líbia, o Estado Islâmico encontrou terreno fértil na crescente instabilidade política pós-revolução, aproveitando também a fraqueza das instituições estatais e do setor de segurança do Estado”, disse o enviado especial da ONU.

“A derrota do terrorismo na Líbia só pode ser alcançada através da determinação política e institucional de um governo de união na Líbia que tenha o apoio firme e inequívoco da comunidade internacional aos inúmeros desafios que o país enfrenta”, disse Leon.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!