Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Líbia declara cessar fogo

Líbia declara cessar fogo

O governo da Líbia anunciou esta sexta-feira um cessar-fogo imediato no país, em obediência à resolução do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) aprovada na noite de quinta-feira e que permite o uso de força no país africano para proteger os civis líbios.

Esta declaração unilateral de cessar-fogo do regime foi feita pelo ministro líbio dos Negócios Estrangeiros, Moussa Koussa, em conferência de imprensa, quando a comunidade internacional – mandatada pelo Conselho de Segurança – se preparava para lançar raides aéreos já nas próximas horas sobre as forças do contestado líder líbio Muammar Khadafi, com o propósito de as impedir de continuar a bombardear as cidades “libertadas” pelos manifestantes populares ao longo do último mês.

Entretanto, mais cedo, rebeldes e moradores da cidade de Misrata, o último reduto dos manifestantes no oeste da Líbia, relataram que forças leais ao ditador Khadafi bombardearam a cidade esta sexta usando tanques e artilharia pesada e matando pelo menos quatro pessoas.

Também pela manhã, um dos filho do ditador Saif al-Islam Kadafi afirmou que o Exército líbio cercará mas não entrará na cidade de Benghazi e forças antiterroristas serão enviadas para desarmar os combatentes rebeldes que controlam a cidade-símbolo da resistência, de acordo com informações da rede de televisão “Al-Jazeera”.

Testemunhas relataram à “Reuters” os ataques em Misrata: – Eles estão a bombardear tudo, casas, mesquitas e até ambulâncias – disse por telefone à agência Reuters um porta-voz dos manifestantes.

Outro insurgente, Saadoun, disse que as forças do governo estavam a atacar desde as 7h locais: – Este é o bombardeio mais pesado que já vi em muito tempo – ele disse. O som de armas pesadas podia ser ouvido ao fundo na ligação.

O canal de TV “Al Arabiya” disse que quatro pessoas foram mortas e 70 ficaram feridas no ataque, que começou horas depois que o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou uma resolução instituindo uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia e ataques militares contra as forças que apoiam Kadafi para proteger os civis.

As informações da imprensa não podiam ser confirmadas porque os jornalistas foram instruídos a não viajar à cidade, que tem 300 mil habitantes e está a 200 quilômetros a leste da capital Trípoli.

“Acreditamos que eles querem entrar na cidade a qualquer custo antes que a comunidade internacional comece a implementar a resolução da ONU. Em nome de todos os moradores de Misrata, mulheres, crianças e idosos, pedimos que a comunidade internacional faça alguma coisa antes que seja tarde demais. Eles devem agir agora, já falharam conosco antes, demorando em tomar uma decisão. Não devem repetir o mesmo erro” disse Saadoun.

Outro manifestante, que se identificou apenas como Mohammed disse que tanques das tropas oficiais estavam avançando em direção ao centro da cidade, e os rebeldes estavam tentando impedí-los “Todo o povo de Misrata está tentando desesperadamente defender a cidade.”

A “Al Arabiya” disse que diversas mesquitas, escolas e prédios residenciais foram danificados no ataque à cidade. Misrata está sob a mira das forças de Kadafi há dias. O fornecimento de água foi cortado, ocorrem constantes cortes de energia e a comunicação está difícil os moradores disseram à “Reuters” no início da semana. “Falei com um médico de Misrata esta manhã, e há fortes bombardeios lá, explosões dentro da cidade” disse Tariq, um médico da cidade que agora vive na Inglaterra. Ele disse que falou por telefone com colegas e familiares que estão no local esta manhã. “Eles não podem enviar ambulâncias. Eles acham que os disparos são de armas, tanques e bombas, mas não de ataques aéreos. É muito preocupante” completou o médico.

Kadafi ou qualquer representante seu emitiu qualquer comentário sobre os ataques. Falando em Trípoli na quinta-feira, um porta-voz disse que a operação militar em Misrata deveria terminar na manhã de sexta-feira. Houve também mais rumores de confrontos mais a oeste, próximo à fronteira com a Tunísia. Rebeldes na cidade de Nalut disseram que atacaram forças oficiais perto da fronteira nesta manhã, matando quatro soldados. Um manifestante também teria morrido no confronto.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!