Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Lágrimas, poesia e troca de argumentos antes de votação histórica

Lágrimas, discursos inflamados com poesia e avisos para o lugar que a história irá reservar aos senadores que vão votar a destituição da Presidente suspensa do Brasil, Dilma Rousseff, marcaram o dia antes da votação, no Senado, em Brasília. Dilma Rousseff é acusada de editar créditos suplementares no ano passado e de usar dinheiro de bancos federais em programas do Tesouro, as chamadas “pedaladas fiscais”.

Na sessão de terça-feira, que durou cerca de 17 horas e terminou antes das 08:00 horas desta quarta-feira (horário de Moçambique), foram trocados argumentos jurídicos e políticos, finalizando um processo de nove meses que foi muito além da denúncia e que se jogou também na força das manifestações nas ruas.

Janaína Paschoal, da acusação, defendeu que o “‘impeachment’ (destituição) é um remédio constitucional” para uma “grande fraude” e maquilhagem das contas públicas.

A advogada pediu desculpa a Dilma Rousseff pelo “sofrimento” que lhe causou e, entre lágrimas, comentou: “Peço que ela um dia entenda que eu fiz isso pensando também nos netos dela”.

“Para quem conhece Dilma Rousseff, pedir a sua acusação para defender os seus netos é algo que me atingiu muito fortemente”, disse aos jornalistas o advogado da Presidente suspensa, José Eduardo Cardozo, emocionando-se.

Na tribuna, Cardozo alertou que a condenação seria “uma pena de morte política”, baseada em “pretextos”. “Era pelo conjunto da obra que os militantes políticos eram presos, torturados e assassinados” durante a ditadura, lembrou.

Dos 63 senadores que decidiram falar na tribuna, por dez minutos, a maioria anunciou que vai votar a favor do afastamento.

Os parlamentares comentaram a teoria do “golpe parlamentar”, repetida pelos defensores de Dilma Rousseff para definir o ‘impeachment’, e a “luta de classes”, que alguns acreditam estar subjacente ao processo.

Os defensores do ‘impeachment’ advogaram que o processo é democrático, vincando que Dilma Rousseff não pode estar acima da lei e acusando-a de ter violado a Constituição, de mentir e de “estelionato eleitoral” (crime semelhante à burla), além de não ter respondido a “perguntas fulcrais” quando fez a sua defesa.

Os apoiantes do afastamento falaram ainda na crise económica e no desemprego deixado pelo Governo “corrupto” de Dilma Rousseff, fazendo a comparação com o Executivo interino, de Michel Temer, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), e acusaram a Presidente suspensa de não dialogar com o Congresso.

Ronaldo Caiado, dos Democratas (DEM), disse que a continuidade de Dilma Rousseff no poder levaria a economia a uma situação semelhante à que se vive na Venezuela.

Magno Malta, do Partido da República (PR), afirmou que Deus permitiu que Dilma Rousseff ganhasse as eleições porque “as lambanças feitas no escuro precisavam vir à luz, e foi a eleição dela que permitiu”.

Por contraponto, os defensores da arguida evocaram as conquistas sociais alcançadas pelo Partido dos Trabalhadores (PT), com os governos de Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Disseram ainda que a primeira mulher que comandou o Brasil é “honesta”, está a ser vítima de “misoginia”, de uma “trama” e de uma “conspiração”, que inclui aqueles que não conseguiram ganhar as eleições.

Contrário ao ‘impeachment’, o senador Roberto Requião, do PMDB, avisou que o povo “não retornará submissamente às senzalas”, questionando os demais: “Os senhores estão preparados para a guerra civil?”.

Enquanto os defensores do afastamento falaram num processo pedagógico, os opositores alertaram que a história dará razão a Dilma Rousseff e que será aberto um precedente, que pode resultar numa insegurança jurídica devido às dúvidas que os atos em julgamento levantam.

“Pode dormir tranquila. A história te reserva um lugar de honra”, afirmou Lindbergh Farias, do PT, falando para a líder brasileira.

Se for considerada culpada por 54 dos 81 senadores, Dilma Rousseff perderá o mandato e o direito a ocupar cargos públicos eletivos durante oito anos, e Michel Temer ocupará a Presidência em pleno.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!