Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dissidentes cubanos novas tácticas reaproximação EUA

A decisão do presidente norte-americano Barack Obama de encerrar cinco décadas de inimizade com Cuba estremeceu os dissidentes políticos da ilha, dividindo-os e fazendo alguns deles repensar as suas tácticas.

Durante a Guerra Fria e depois, os Estados Unidos contaram com o pequeno movimento dissidente para liderar a oposição doméstica ao governo comunista de Cuba e para manter um registo dos abusos aos direitos humanos.

Depois de Obama ter rasgado na semana passada a antiga política destinada a prejudicar Cuba, alguns dissidentes sentem-se traídos e incertos sobre o seu movimento, que enfurecia o governo e tem apoio limitado da opinião pública.

Os Estados Unidos ainda irão encorajar os cubanos a pressionarem por mais direitos políticos, mas o governo agora tem um canal directo próprio com o governo do presidente Raul Castro, levantando incertezas sobre o valor dos dissidentes no futuro para os norte-americanos.

Enquanto alguns líderes dissidentes receberam bem a mudança de directrizes, que deve deixar o governo cubano sem desculpas em caso de desaceleração económica ou controle político severo, outros reclamaram que o acordo foi negociado sem o seu conhecimento e contra sua vontade.

“O presidente Obama cometeu um erro”, disse Berta Soler, líder das Damas de Branco, um grupo católico que promove marchas de protesto todos domingos. “Isso irá beneficiar o governo cubano, fortalecendo e equipando a sua máquina de repressão.”

Enquanto o seu grupo protestava nas ruas, enfrentando abusos e detenções, os Estados Unidos promoviam negociações em segredo com Havana durante os últimos meses. Guillermo Fariñas, que foi detido 38 vezes consecutivas em protestos semanais à frente da sua casa na cidade de Santa Clara, foi ainda mais duro.

“Sinto-me traído”, disse Fariñas, que se incomodou com o carácter secreto das conversas, dizendo que as opiniões dos dissidentes foram ignoradas.

“Sei de pessoas que se ofendem com essa palavra, mas uso de propósito.” Fariñas estava presente no encontro de 29 dissidentes de Cuba que se reuniram por 10 horas na segunda-feira no escritório do 14ymedio, o site de notícias e opiniões da famosa blogueira Yoani Sanchez. Soler não compareceu. Outros líderes dissidentes gostaram da mudança política de Obama, ou a aceitaram como uma realidade que estaria além do seu controle.

Em nota publicada em conjunto, eles aplaudiram a troca de prisioneiros que permitiu a soltura do norte-americano Alan Gross e outros 50 prisioneiros cubanos. Uma autoridade norte-americana descreveu os cubanos livres como presos políticos, mas os dissidentes ainda têm de confirmar se algum dos seus aliados foi solto, questionando quem realmente os EUA lutaram para libertar.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!