Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

James Lovelock, profeta da catástrofe climática

Enquanto os chefes de Estado e de Governo do planeta se reunem em Nova York para uma cúpula extraordinária sobre o clima, o cientista britânico James Lovelock continua, aos 91 anos, provocando polémica com sua visão apocalíptica das consequências do aquecimento climático. A menos de tres meses da conferência decisiva de Copenhague, Lovelock que provoca admiração e incômodo entre seus colegas, continua a alertar que “é tarde demais para salvar o planeta tal como o conhecemos”, em entrevista concedida à AFP. “Estejam preparados para as mudanças, adaptem-se às mudanças que virão.

E preparem-se para enormes perdas humanas”, acrescenta o autor dos livros “Gaia, cura para um planeta doente” e “A vingança de Gaia”. Pois, para ele, inclusive se pararmos taxativatemente nossas emissões de gases do efeito estufa, seu nível de concentração na atmosfera é tal que muitos fenômenos naturais contribuirão para aumentar o aquecimento em curso.

“Considera que a tendência actual, que consiste em interpretar as mudanças climáticas como um processo regular, relativamente controlável, pode levar ao engano, pois é muito provável que ocorra um ajuste abrupto e um processo incontrolável”, explicou Andrew Watson, climatologista da Universidade East Anglia, no leste da Inglaterra. Por enquanto, a posição de Lovelock é minoritária no mundo científico.

“Tenho o maior respeito por James Lovelock, é de uma grande inteligência e um grande cientista, é incontestável”, disse Rajendra Pachauri, presidente do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), cujo relatório serve de base para as negociações da ONU sobre o clima. “Mas a esta altura, os elementos que mostram que já superamos o ponto de não retorno e que a situação é irreversível são poucos e parece pouco provável que isso ocorra”, acrescentou.

“Acho que se agirmos agora, seremos capazes de evitar um grande desastre”, disse. Lovelock, que cresceu no sul de Londres no entre-guerras, trabalhou durante 20 anos para o Instituto britânico de Pesquisas Médicas. Contratado pela Nasa no início dos anos 1960, retornou para a Califórnia para estudar sobre a possibilidade de vida em Marte. “Cientista independente”, como se autoclassifica há 40 anos, é tão livre em suas opiniões que carece de apoio institucional.

O pouco respeito deste homem pelas fronteiras acadêmicas tradicionais contribuiu para isolá-lo ainda mais. “Os membros de cada disciplina estão muito orgulhosos porque não conhecem nada de outras disciplinas”, disse Lovelock com malícia. Os ambientalistas estão muito apegados a sua Teoria de Gaia, que apresenta a Terra como um super-ser-vivo capaz de se autorregular, mas estão assustados com seu apoio à energia nuclear e seu desprezo pelas energias renováveis, que, segundo ele, não têm “o menor impacto na luta contra o aquecimento global”.

“Não estou absolutamente de acordo com sua posição sobre as energias renováveis”, explicou Watson, que escreve um livro sobre a contribuição de Lovelock para a ciência. “Mas estou convencido de que faz um bom trabalho ao revelar o que há por trás dos documentos redigidos de maneira prudente pelos cientistas do clima”, acrescentou.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!