Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Itália e Paraguai põem à prova grande tradição defensiva

Itália e Paraguai medirão forças esta segunda-feira apartir das 20h30, na Cidade do Cabo, na abertura do Grupo F, e ambas as seleções colocarão à prova a tradição defensiva que cultivaram ao longo dos anos com um esquema de jogo que aposta nos contra-ataques. As duas equipes são as maiores representantes no mundo do futebol de um sistema que consiste em reforçar a defesa para evitar qualquer risco e fazer dessa muralha e da força física o caminho mais fácil para chegar a um resultado favorável. “O importante é a vitória, e para isso é preciso reforçar a parte de trás. É uma das nossas qualidades, e não podemos descuidar dela”, declarou o técnico da seleção italiana, Marcello Lippi.

Apesar de o esquema ter sido popularizado nos anos 60 por Nereo Rocco, técnico do Milão na época, ele teve origem 30 anos antes na Suíça e ganhou notoriedade na Azzurra de Vittorio Pozzo, campeã em 1934 e 1938. Pozzo é até hoje o único técnico bicampeão em Mundiais.

O Paraguai livrou-se aos poucos a fama de equipe mais italiana da sul américa, obtida principalmente nos anos 90, quando brilharam nomes como o guarda-redes José Luis Chilavert e os defesas Celso Ayala e Carlos Gamarra, um trio realmente difícil de superar. Aquela geração participou no Mundial da França, em 1998, em que só marcou numa das quatro partidas que disputou, contra a Nigéria (vitória de 3 a 1), na primeira fase. Nos outros dois, empatou sem golos com Bulgária e Espanha, duas equipes que foram eliminadas.

Nas oitavas de final, o Paraguai deu uma verdadeira lição defensiva diante da futura campeã, a anfitriã França de Zinédine Zidane, que furou apenas uma outra vez o esquema defensivo desenhado pelo técnico brasileiro Paulo César Carpegiani. A equipe perdeu o jogo com um golo de Laurent Blanc a sete minutos do fim do prolongamento.

Os italianos, antes dos dois títulos mundiais nos anos 30, conseguiram os dois últimos com equipes italianas que apoiaram-se no talento dos defesas e da competência dos avançados. Na Espanha de 1982, a equipe levou a taça para casa contra todas as expectativas, principalmente na segunda fase, em que o defesa Claudio Gentile aniquilou a estrela emergente da Argentina, Diego Marodona (2 a 1), pouco antes de derrubar surpreendentemente o Brasil de Sócrates e Zico (3 a 2).

Quatro anos atrás, na Alemanha, a história repetiu-se e um defesa, o capitão Fabio Cannavaro, foi o símbolo da equipe que sagrou-se campeã, além de levar a Bola de Ouro e prêmio da Fifa de melhor jogador do mundo naquele ano.

O Paraguai, além da atuação de destaque na Copa do Mundo na França, tem toda uma história com o ex-técnico italiano Cesare Maldini, que esteve à frente da equipe em 2002, quando a seleção conseguiu chegar aos oitavos, caindo diante da poderosa Alemanha por 1-0. Apesar do caráter defensivo do Paraguai nos últimos Mundiais, o atual técnico, Gerardo Martino, mexeu um pouco nessa filosofia, e os Guaranis estão um pouco mais ofensivos.

Apesar de Martino não esconder a busca pela eficácia e que o mais importante é ganhar, ele garantiu recentemente que os Guaranis chegam à África do Sul com a melhor equipe dos últimos Mundiais, o que permite uma maior variedade tática. “Agora somos muito bons de ataque. O Paraguai foi famoso na América do Sul por ter uma das defesas mais fortes do continente, mas ultimamente também somos um dos melhores ataques”, disse o atacante Roque Santa Cruz.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!